TEC & REDES

Campus Party: criar cidades inteligentes ainda é desafio para o Brasil

campus party brasília - cidades inteligentes
Profissionais e entusiastas da tecnologia participam da Campus Party, em Brasília (Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Campus Party é realizada nesta semana. Entre os temas em discussão está a questão de criar cidades inteligentes, o que foi tido como um desafio para o país

Ferramentas utilizadas pela sociedade para a comunicação, transporte, entretenimento e diversas outras atividades cotidianas têm se transformado rapidamente e hoje, com a ampliação dos serviços oferecidos por plataformas web e aplicativos, são muito diferentes do que eram há 10 ou 15 anos.

Segundo o pesquisador do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) de Campinas Vinícius Garcia, por causa da influência da tecnologia, o mundo passa atualmente pela “terceira onda de transformação social”. Na primeira “onda”, houve a expansão em nível comercial das tecnologias, com o acesso gradativo a computadores, equipamentos digitais e à internet. Depois, com a chegada da tecnologia móvel (mobile), os cidadãos passaram a ter maior participação e protagonismo nas atividades tecnológicas. Agora, segundo Garcia, a internet das coisas se expande e é a vez dos objetos serem inseridos nesse contexto. Esses temas são foco de debates da primeira edição da Campus Party Brasília, que acontece até sábado, 17, na capital federal.

De acordo com o pesquisador, a implantação da internet das coisas é fundamental para alcançar cidades inteligentes e humanas – conceito em que as localidades são digitalizadas não só pela instalação de tecnologias, mas pela integração de dados e informações em um sistema único. Esse cenário muda a percepção de paradigmas e a forma como são vistas as relações de trabalho, por exemplo. De acordo com o presidente da Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas (CIH), André Gomyde, a mais-valia gradativamente sai de cena para dar lugar à operação por máquinas em diversos serviços, o que traz novos desafios. “Cada vez menos teremos trabalho braçal e intelectual. Começamos a viver uma Era do Conhecimento, que passa a ser o grande capital. Este será o paradigma pelo qual teremos que lutar.”

Enquanto atualmente a propriedade de dados e das tecnologias da informação se concentra nas mãos das grandes empresas, a perspectiva do desenvolvimento de cidades inteligentes busca ampliar esse tipo de informação também para a sociedade, segundo Gomyde. “Nas cidades inteligentes e humanas nós vamos conseguir ser proprietários do conhecimento”, afirma.

No Brasil, desenvolver cidades inteligentes ainda é um desafio pela falta de experiências em grande escala. De acordo com o pesquisador Vinicius Garcia, alguns problemas das cidades já têm soluções desenvolvidas, mas não se encontram. Para ele, é necessário um macroambiente de implantação dessas experiências. “Precisamos da união de evolução tecnológica, políticas públicas, maturidade de mercado e comportamento social [abertura da sociedade] compatíveis”, explica.

Políticas públicas discutidas na Campus Party

Para o deputado Vitor Lippi (PSDB-SP), criador da Frente Parlamentar Mista em Apoio às Cidades Inteligentes e Humanas, a busca por soluções para as cidades por meio de tecnologias e sistemas de informação integrados precisa de políticas públicas que, no Brasil, ainda engatinham. “Estamos muito atrasados e precisamos nos adequar. Temos que conectar as pessoas, por isso precisamos pensar como ampliar a banda larga no Brasil. Hoje, só 50% dos brasileiros a têm em casa”, ponderou.

Além do aumento da conectividade para a participação social, o processo para a criação de cidades inteligentes demanda a criação de planos de ação de médio e longo prazo. O grupo de trabalho do Congresso tem o objetivo de construir agendas para arrecadar contribuições, pesquisar exemplos do mundo e fazer fóruns para o debate com a sociedade.

Segundo Lippi, um dos caminhos é um acordo com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para desonerar e diminuir a burocracia para implantação de sensores e equipamentos necessários para trabalho integrado dessas cidades. Hoje, segundo o deputado, o desenvolvimento está diretamente relacionado à capacidade de comunicação. “A tecnologia da informação é estruturante para o desenvolvimento social”. Outra frente de trabalho é a criação do Plano Nacional de Internet das Coisas, que visa aproveitar janelas de oportunidades atuais e futuras para colocar o Brasil como produtor dessa tecnologia.

Experiências para implementação das cidades inteligentes têm sido feitas em diversos municípios do país, segundo o diretor de Inclusão Digital do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Américo Bernardes. Segundo ele, as comunidades precisam se apropriar da tecnologia em vez de serem meras usuárias. “Elas são fundamentais nas decisões a respeito das necessidades.”

Atualmente, o programa Cidades Digitais do ministério existe em 75 cidades, onde estão à disposição aplicativos de uso gratuito como o e-SIC, para agendamento de serviços da saúde ou de compromissos das prefeituras; o i-Educar, para atividades educativas; e o Urbem, que reúne informações financeiras e tributárias do município.

***** ***** ***** ***** *****

Reportagem: Ana Elisa Santana
Edição: Luana Lourenço

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Agência Brasil

Agência Brasil

Agência pública de notícias criada em 1989, logo após a incorporação da Empresa Brasileira de Notícias (EBN) pela extinta Empresa Brasileira de Comunicação (Radiobras). Em 2007, com a criação da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que incorporou a Radiobras, passou a integrar o sistema público de comunicação.

1 COMENTÁRIO

COMENTAR