ESPECIAIS MARKETING & PROPAGANDA

Consultorias feministas discutem papel de marcas como agentes de transformação

mulheres-digitais-marcas
(Imagem: Mulheres Digitais)

As co-fundadoras das consultorias feministas Think Eva e 65/10 – Nana Lima e Maria Guimarães, respectivamente – participaram de painel durante o evento Mulheres Digitais, realizado em São Paulo no sábado, 1º de abril, para falar sobre a importância das marcas como agentes de transformação da sociedade. O debate foi moderado pela publicitária Viviane Duarte, fundadora do Plano Feminino.

Nana e Maria apresentaram as participantes do ciclo de palestras cases de duas marcas atendidas pelas consultorias que, declaradamente, defendem o feminismo e a representatividade de mulheres em suas campanhas.

De acordo com Nana, desde 2015 a Think Eva atende a conta da Avon, empresa de cosméticos que vem desenvolvendo comunicação representativa. “Ser reconhecida como marca feminista é muito importante para a Avon desde o começo do atendimento. A marca está se tornando uma plataforma que tira os temas de baixo do tapete e coloca na mesa para as pessoas discutirem”.

A criativa declarou que o papel da comunicação publicitária é traduzir temas para toda linguagem. Nana revela, ainda, que a Avon está desenvolvendo um trabalho de educar o público, tornando-se um espaço seguro para falar sobre temas importantes.

Maria destacou o trabalho de consultoria da 65/10 para Nescau e o desenvolvimento da campanha #MeninasFortes, lançada em 8 de março com objetivo de mostrar como o esporte, principal assunto tratado na comunicação da marca, ensina a meninas lições como coragem, força e autoconfiança para lidar com os obstáculos da vida.

“A Nescau entende que durante muito tempo vem masculinizando o esporte. Mas, há dois anos, esse posicionamento começou a mudar. Para chegar ao resultado desta campanha, fizemos em parceria com a Nestlé, pesquisa para entender porque meninas de 8 a 12 anos não se aproximam dos esportes. Chegamos a diversas conclusões assustadoras e, no final, entendemos que são marcas como esta que precisam se posicionar encorajando as meninas a saírem de casa e praticarem esportes”, afirmou a publicitária.

Segundo a co-fundadora da 65/10, o planejamento é a parte mais importante neste tipo de ação e a campanha sobre meninas fortes é só o início de um movimento em direção a transmissão de valores como representatividade, igualdade e respeito. “Inovar não é reforçar os estereótipos. Os criativos, em agências e consultorias, precisam se dedicar a um trabalho real de conscientização”, avalia.

Leia mais

Revista Galileu e a mudança editorial por um jornalismo mais representativo

SOBRE O AUTOR

Tácila Rubbo

Estudante do 7º semestre do curso de jornalismo da Fiam-Faam, 23 anos. Trainee de redação do Portal Comunique-se desde setembro de 2016. Começou na empresa como estagiária, função que desempenhou por um ano e dez meses. Atualmente, é a responsável pelo conteúdo de parceiros publicado no site, avaliando os materiais recebidos e mantendo contato com os “articulistas-parceiros”. Além disso, cuida de produções externas e, claro, produz notas e reportagens especiais.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

  • SUATV - TV Corporativa, Mural Digital e Digital Signage é SuaTV
  • RIWEB
  • Dino