ESPECIAIS MAIS COMUNICAÇÃO

Crise? Players de TV por assinatura vêem oportunidades no mercado

[Da esq. p/ dir.] Presidente da América Móvil, José Felix; VP executivo da Discovery Networks Brasil, Fernando Medin; Gerente geral da Turner, Gustavo Diament, e diretor de gestão, Globosat, Manuel Belmar (Imagem: Reprodução/Facebook)

Durante o primeiro dia do Congresso Brasileiro de Televisão por Assinatura (ABTA), realizado na quarta-feira, 29, a crise econômica pautou a conversa entre os players do setor. Os executivos da América Móvil, Discovery Networks Brasil, Turner Brasil e Globosat participaram de painel sobre as perspectivas do mercado para 2016.

Diretor de gestão da Globosat, Manuel Belmar afirma que, apesar do momento sensível que combina tensão política e drama econômico, a crise é o que menos preocupa a empresa do Grupo Globo. Para ele, é tempo de olhar o problema pela dimensão da transformação conjuntural do setor de mídia, o cenário é de união de tendências que propõe desafios extremos.

VP executivo e diretor geral do Discovery Networks Brasil, Fernando Medin diz que no passado a TV paga caminhava a passos gigantes, o que mudou após a retração econômica. Para 2016, o que alarma o gestor é a geração digital. “Muito mais do que os concorrentes over the top [sites de streaming como Netflix, por exemplo], o que me preocupa são os milleniuns. Temos que achar uma forma de atender ao apetite que eles têm”, declarou.

Presidente da America Móvil no Brasil, José Felix comenta que o setor estava acostumado com taxas altas de crescimento e, com a crise, há retração no consumo e na base de assinantes. De acordo com ele, diante deste cenário, 2016 é o ano para fazer ajustes nas despesas. Apesar disso, ele vê o mercado com otimismo.

“Na Turner, o Brasil é o primeiro mercado fora dos Estados Unidos. Apesar de tudo, o momento é positivo. O crescimento não acontece da mesma maneira que anteriormente. Nosso foco, agora, é estar presente com conteúdo relevante para o consumidor”, declarou o gerente geral da empresa, Gustavo Diament.

Ano Olímpico
Além de falar sobre o otimismo diante da crise econômica, os executivos abordaram as expectativas para as Olimpíadas Rio 2016. Felix assegura que a America Móvil estará presente no evento com patrocínio por meio da empresa Net e garantirá toda a infraestrutura de telecomunicação.

“Serão mais de três mil pessoas trabalhando exclusivamente para o evento. Nossa estrutura vai suportar toda a atividade da imprensa durante os jogos, além de garantir conexão wifi e cabeamento do parque olímpico. Na área de TV paga, a esperança é que as competições impulsione as vendas. O comitê olímpico nos deu essa missão e estamos extremamente otimistas para essa cobertura”, declarou Felix.

Belmar comentou que a cobertura dos jogos olímpicos não terá precedentes históricos em sua dimensão. A Globosat terá mais de mil pessoas trabalhando em prol do evento e das parcerias de conteúdo firmadas com veículos internacionais. Além disso, a toda a transmissão da companhia será feita em HD, com pílulas em 4K.

A Turner marcará presença no evento por meio da equipe do canal Esporte Interativo. De acordo com Diament, a companhia promete, durante a cobertura das competições, unir conteúdo jornalístico de qualidade com a emoção do esporte de maneira diferenciada para os fãs da emissora.

*Com edição e supervisão de Nathália Carvalho.

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Tácila Rubbo

Tácila Rubbo

Estudante do 7º semestre do curso de jornalismo da Fiam-Faam, 23 anos. Trainee de redação do Portal Comunique-se desde setembro de 2016. Começou na empresa como estagiária, função que desempenhou por um ano e dez meses. Atualmente, é a responsável pelo conteúdo de parceiros publicado no site, avaliando os materiais recebidos e mantendo contato com os “articulistas-parceiros”. Além disso, cuida de produções externas e, claro, produz notas e reportagens especiais.

COMENTAR

COMENTAR

Anúncio do Dino Divulgador de Notícias - vire notícia na internet

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017