OPINIÃO

Crônica sobre a República Federativa da Odebrecht

odebrecht artigo herodoto barbeiro

O plenário do Congresso estava vazio. Deputados e senadores correram para as suas salas. Queriam saber se o que estava na rádio corredor era verdade ou não. Era um momento de angústia geral. O que seria do parlamento se os boatos fossem verdadeiros? Afinal tudo corria ás mil maravilhas, salários em dia, salamaleques de toda ordem, título de excelência usado pelos subalternos, cabos eleitorais satisfeitos em suas bases fazendo campanha para a próxima eleição  abertamente, o presidente se submetendo docilmente aos pedidos dos políticos. Mas era verdade. O senador tinha sido preso. Era acusado de ser o autor intelectual do atentado contra o presidente da república. Prudente de Morais saiu ileso, mas o general Bittencourt morreu. Não se viu nos gabinetes viva alma nos dias que se seguiram até que o senador Pinheiro Machado fosse libertado sob o manto da falta de provas.

O senador era useiro e vezeiro em ameaçar o presidente, fosse lá qual fosse, se seus pedidos não fossem atendidos. Afinal era um senador da república e líder de uma aguerrida bancada no Congresso Nacional. Tinha o poder de blindar seus acólitos e execrar os opositores. Apresentava –se aos jornalistas sempre sorrindo como se nenhuma das acusações lhe diziam respeito. Relacionava-se diretamente com as oligarquias regionais e se portava como o verdadeiro detentor do poder. Aliás  estava sempre ao lado dele e quando contrariado ameaçava passar para oposição. Nada de ideário, programa partidário, princípios morais ou éticos. Não pensava no Brasil, o tempo todo urdia manobras para se perpetuar no poder. Não escapou de um atentado no saguão de um hotel no Rio de Janeiro quando foi apunhalado pelas costas. Não havia ainda a legião de seguranças que perambulam em torno dos atuais donos do poder.

A cena se repete 102 anos depois. Um tsunami se abateu sobre o poder legislativo. Os celulares confirmavam a má notícia, porem apenas com alertas. Eles precisavam mais informações, saber se os seus nomes estavam ou não na lista do ministro Fachin. Foi uma debandada em busca dos gabinetes, telefonemas apressados e a busca nos sites de notícias. Os mais corajosos foram ao encontro dos jornalistas na sala de imprensa. O plenário ficou abandonado. Só os fantasmas andavam por lá. As sessões foram suspensas no senado e na câmara  por falta absoluta de ânimo dos parlamentares. A cada golfada de notícia mais nomes era vomitados. A República Federativa da Odebrecht não poupava ninguém. Não era mais vazamento seletivo. Era a íntegra dos depoimentos do rei das empreiteiras e de seu delfim.

Tags

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Heródoto Barbeiro

Heródoto Barbeiro

Apresentador e editor-chefe do ‘Jornal da Record News’. Já foi professor de história, carreira que seguiu por quase 20 anos. Na imprensa, passou por CBN, Rádio Globo, Jovem Pan, TV Cultura, TV Gazeta e Diário de S. Paulo. Edita o Blog do Barbeiro – Barba, Bigode e Cabelo, hospedado pelo R7.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017