JORNALISMO

Delegada afirma que laudo preliminar aponta que jornalista foi morto por asfixia

jornalista morto porto alegre
Jornalista foi encontrado morto em apartamento (Imagem: Arquivo Pessoal)

Na noite de segunda-feira, 24, o jornalista Tagliene Padilha da Cruz, de 33 anos, foi encontrado morto dentro de seu apartamento. Em apuração sobre o caso, a delegada da 2ª Delegacia de Homicídios do Rio Grande do Sul, Roberta Bertoldo da Silva, que teve acesso ao laudo preliminar, informou à imprensa que o profissional da comunicação teria sido morto por asfixia. “Ele faleceu em decorrência de asfixia. Foi agredido na cabeça com objeto contundente e esganado com as mãos”, relatou Roberta.

Segundo as informações do G1, a polícia trabalha com a possibilidade de o agressor ter entrado no apartamento “de forma consentida” para cometer o crime. “Trabalhamos com qualquer tipo de hipótese, já que o autor do fato certamente ingressou no imóvel de forma consentida. Era alguém que ele conhecia. Por alguma razão decorreu fato trágico”. Por ora, a polícia desconhece a motivação do crime.

Entenda o caso

O jornalista gaúcho Tagliene Padilha da Cruz, que era assessor de imprensa e trabalhava em uma agência que prestava serviço à Federasul, foi encontrado morto por volta das 21h em um apartamento localizado na Avenida João Pessoa, no bairro Azenha, em Porto alegre.

O corpo foi localizado após o namorado da vítima, que mora no Rio de Janeiro, ficar preocupado após não conseguir contato. Assim, duas amigas foram ao prédio e, com a chave reserva, entraram no apartamento, onde encontraram o corpo enrolado em um edredom.

O imóvel estava revirado e a polícia já sabe que foram levados um notebook e um celular. A delegada Roberta está ouvindo amigos e familiares para entender se o profissional foi vítima de latrocínio (roubo seguido de morte) ou homicídio. Ao G1, o irmão do jornalista afirmou que Padilha da Cruz não tinha desavenças. “Ele não tinha problema com ninguém, nunca relatou ter sido ameaçado. Era um cara muito tranquilo”.

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017