JORNALISMO

Imprensa francesa destaca crise nos presídios brasileiros

Massacre no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) fez o Amazonas ser notícia em todo o mundo (Imagem: Divulgação/Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas)

As rebeliões violentas nos presídios brasileiros continuaram em destaque na imprensa na segunda-feira, 9. O jornal Le Figaro informou, em título, que quase cem presos foram mortos no Brasil “e as autoridades nem se comovem”.

O jornal relata que “a mídia brasileira tem exibido imagens de uma violência indescritível: um banho de sangue, com corpos carbonizados, decapitados, esquartejados e corações arrancados”. Para o jornal, o governo foi alertado e não fez nada para impedir novos massacres.

As mortes nas prisões do norte do país são fruto da guerra de gangues pelo controle nacional do narcotráfico, protagonizada pelo PCC (Primeiro Comando da Capital), de São Paulo, e aliados locais do CV (Comando Vermelho), criado no Rio de Janeiro, explica o Le Figaro. O jornal lembra que a carnificina acontece na Amazônia, uma região de fronteira com o Peru, a Colômbia, a Venezuela e a Guiana. O Brasil é apontado como “uma etapa na rota dos países produtores de cocaína para a Europa”.

O jornal chama de “desastrosa” a gestão da crise pelas autoridades. “Os presídios brasileiros se tornaram uma fonte de recrutamento fácil para os narcotraficantes, que oferecem proteção e serviços aos detentos expostos às carências do Estado”, cita o jornal. “Desde outubro, os governadores locais pediram ajuda federal com urgência e alertaram a respeito dos riscos de implosão. Mas a resposta negativa do ministro da Justiça, com um mês de atraso, foi o primeiro erro do governo na gestão desastrosa dessa crise”, observa o Le Figaro.

Temer demorou a reagir
O diário critica abertamente o presidente Michel Temer, dizendo que ele “só rompeu o silêncio para falar dos massacres depois que o papa Francisco fez orações para os presos. E acrescenta: “no sábado, Temer foi até a casa da presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, para se redimir”. O texto elogia a rapidez com que Cármen Lúcia reagiu à crise, visitando juízes da região logo após a rebelião de Manaus, mas nota com ironia que ela precisou recordar que eles também são responsáveis pela superlotação nas prisões.

Para encerrar, Le Figaro cita a série de declarações absurdas de autoridades, inclusive as que levaram à demissão do secretário da Juventude, Bruno Júlio, filiado do PMDB, que afirmou que “tinha era que matar mais” e “fazer uma chacina por semana” nas penitenciárias.

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Abraji

Abraji

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Criada em 2002 por um grupo de jornalistas brasileiros interessados em trocar experiências, informações e dicas sobre reportagem, principalmente sobre reportagens investigativas. É mantida pelos próprios jornalistas e não tem fins lucrativos.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017