Eleições 2018: sai o marqueteiro, entra o estrategista digital

A turbulência do momento político e as novas regras do TSE abriram frentes de atuação para os estrategistas em marketing digital político

Marketing Politico digital agencia trampo

Marketing Politico digital Agencia Trampo ( Marketing Politico digital agencia trampo )

São Paulo, 05/06/2017 –

Em 2018 já se sabe: teremos as eleições mais atribuladas da história do Brasil e o marketing político digital tem papel fundamental para quem quiser se eleger.

Trata-se de uma eleição onde a rejeição a políticos de carreira será a maior da história. Nas eleições de 2018 teremos a maior renovação de congressistas de todos os tempos, tudo por conta dos últimos anos tão politicamente atribulados.

Isto tudo abre terreno para novos candidatos a deputado estadual, deputados federais e parte do senado, além da presidência, obviamente.

PERFIS COM TENDÊNCIA A RECEBER MAIS VOTOS

Cidadãos comuns terão ampla aceitação, sobretudo se já tiverem uma imagem sedimentada de ativismo em causas populares como a saúde, combate à pobreza, minorias, defesas dos animais e direitos dos aposentados. Profissionais de gestão como empresários um pouco puxados pelo sucesso midiático de João Dória e ícones de popularidade como os artistas e celebridades, igualmente motivados pelo sucesso parlamentar de Romário e Tiririca.

Em baixa estão os políticos de carreira, ruralistas e religiosos.

No Marketing digital político é possível trabalhar com muita antecedência, posto que não é preciso ser candidato para que suas ações populares sejam divulgadas.

O Facebook e Instagram permitem que os conteúdos sejam impulsionados e ampliam o raio de divulgação dessas ações resultando no processo contínuo de construção da imagem do candidato.

O YouTube é uma importante ferramenta de aderência de imagem e ações, trata-se do segundo maior canal de busca na internet, atrás apenas do próprio.

Esta próxima eleição já tem uma pauta certa: os eleitores irão buscar informações sobre seus candidatos na internet. Cada candidato terá sua vida vasculhada e os recursos de SEO – otimização para buscas – devem ser largamente utilizados na construção da reputação do candidato.

TEMPOS E MOVIMENTOS NO MARKETING POLÍTICO DIGITAL

O período de construção da imagem do candidato baseado em marketing político digital compreende aproximadamente 12 meses se partirmos de junho de 2017.

Em seguida temos mais um período de pré-campanha em que muito do capital apoiador conquistado pode ser convertidos em apoiadores oficiais e os contatos acumulados devem começar ser trabalhados na conversão em votos.

A campanha efetiva deve ficar mesmo nos 45 dias que foram definidos oficialmente pelo TSE nas últimas eleições. A maioria das regras seguirá valendo, ou seja, muito menos campanha físicas, menos poluição sonora e visual, nada de brindes e muito menos investimento. Tudo será baseado em informação de alta qualidade, forte apelo mobile – o celular é a nova TV.

AS GRANDES FERRAMENTAS USADAS PELO MARKETING POLÍTICO DIGITAL

Tem-se como informação de alta qualidade tudo o que é relacionado ao marketing de conteúdo:

E-books

O candidato tem uma história? Conte-a de maneira moderna, espalhe esta história usando marketing digital político

Infográficos

O candidato a deputado acumulou números relevantes ao longo dos anos, mostre de maneira ilustrada, para que o potencial eleitor saiba quantificar seu poder de ação.

Textos

O candidato sabe muito sobre determinada área e tem ideias de como aplicar esse conhecimento em prol de todos? Conte detalhadamente em diversos textos ilustrados e fáceis de serem lidos e ranqueados pelo Google.

Vídeos

Não é mais necessário uma estrutura mirabolante, nem uma equipe numerosa para produzir bons vídeos, boas vinhetas, boas edições, publicar no YouTube e impulsionar para um público de potenciais interessados. Use e abuse.

Site

Imagine um repositório como toda essa informação relevante e tudo sendo ranqueado pelo Google através de uma URL com seu nome? É necessário ter e que seja bem feito, responsivo e de fácil compreensão.

Inbound marketing

Não é hora de pedir votos. É hora de provar com dados e informações de que o candidato merece o voto. As técnicas de inbound marketing permite que a equipe consiga reter contatos, alimentar com boas informações e converter em voto e apoio.

E-mail

O spam é amplamente condenável, mas se o candidato a deputado tem uma boa base de opt-ins válidos, se for usada para distribuir conteúdo intelectual relevante, é uma forte ferramenta de conversão. Também é ótimo para realizar pesquisas.

Omni-channel

Todos os canais trabalhando de maneira integrada, com coleta sistemática de dados para análise e conformação de tendências, usado tudo para tomada de decisões.

Mobile first

Toda divulgação que for pensada, deve ser pensada para ambiente de smartphone. 70% a 80% da assimilação de conteúdo se dá em ambiente mobile.

Whatsapp e SMS

É possível ser utilizado para a boa comunicação com o Staff da campanha, não sendo recomendado seu uso em massa por se tratar de um recurso invasivo, “meu celular é meu território”, esta é a visão das pessoas e o tiro pode sair pela culatra.

OS CUSTOS DE UMA CAMPANHA DE MARKETING POLÍTICO DIGITAL

O maior inimigo do candidato às eleições de 2018 chama-se “conservadorismo”. O candidato à moda antiga ainda se preocupa demasiadamente com os santinhos, adesivos, opinião do marqueteiro, quando na realidade, 70% dos seus votos vai depender diretamente do estrategista digital.

Não perder os votos amealhados nas reuniões, eventos, marketing convencional também depende diretamente do marketing político digital, chama-se inbound marketing – nutrir o lead válido, criar uma jornada de conversão, manter a aderência do nome.

O marketing político digital hoje ocupa 10% das verbas nas campanhas, quando na realidade deveria no mínimo ocupar 50%.

Ainda assim é muitas vezes mais barato que o marketing convencional. Por exemplo, você pode imprimir 10.000 panfletos, mas se não contratar mão de obra suficiente, terá apenas comprado papel ao passo que no marketing digital toda mídia comprada tem o valor precisamente dimensionado.

Um ponto a se considerar é a fortíssima rejeição que os jovens têm a impressos. Praticamente nem olham, se desfazem imediatamente e ainda argumentam que estão sujando o planeta. Ou seja, uma campanha digital, além de mais barata, é ecologicamente correta.

Website: https://agenciatrampo.com.br/marketing-politico-digital-2018/

Notícias Corporativas

  • SUATV - TV Corporativa, Mural Digital e Digital Signage é SuaTV
  • RIWEB
  • Dino