Artigo Científico

O poético e o factual na narrativa da canção “O bêbado e a equilibrista”

“O bêbado e a equilibrista”

Neste artigo, procura-se analisar a narrativa da canção “O bêbado e a equilibrista”, de João Bosco e Aldir Blanc, elencando em sua composição os elementos poéticos, factuais e, por conseguinte, a relevância histórica desta música que se tornou hino da anistia em 1979 na voz de Elis Regina. A análise da narrativa é fundamentada abordando o uso da linguagem, os elementos simbólicos e de produções de sentidos, mediados pela percepção da realidade e consci-ência tanto de quem compôs a canção, como de quem entoou seus versos mediante um contexto político e cultural. As dimensões artísticas e comunicacionais do artigo são respaldadas teoricamente por Eco (2015), Sodré (2014), Medina (2003), Bourdieu (1989), Paz (1984) entre outros teóricos, além dos depoimentos dos compositores e intérpretes da canção.

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017