MARKETING & PROPAGANDA

Plugcitários promove evento para valorizar mulheres no mercado

puglicitários - plugwoman

Evento pensado para discutir e valorizar a presença de mulheres no mercado da publicidade e propaganda no Brasil. Esse é o objetivo principal do PlugWoman, que será realizado em São Paulo no dia 20 de maio. O encontro está sendo organizado pelo blog Plugcitários.

“O PlugWoman contará apenas com a presença feminina no palco, onde as grandes mulheres do mercado publicitário dirão ao público suas histórias, desafios e jobs do dia a dia, relatando experiências que acontecem dentro e fora das agências”, anunciam os responsáveis pelo evento.

A equipe de comunicação do Plugcitários adianta que executivas e profissionais atuantes em agências de publicidade do país estão confirmadas. São os casos de Joanna Monteiro (CCO da FCB), Heloísa Lima (diretora de mídia da Leo Bunett), Renata Leão (diretora de criação da JWT) e Letícia Suher (diretora de novos negócios na Agência Mantra).

Além do quarteto de publicitárias, o PlugWoman contará com as presenças de duas consultoras. Também prometem estar no evento Tatti Maeda (consultora de marketing digital) e Liliane Ferrari (consultora de mídias sociais).

O PlugWoman será realizado no Centro Cultural b_arco (Rua Dr. Virgílio de Carvalho Pinto, 426 – Pinheiros – São Paulo). Para participar, cada interessado deve pagar a inscrição, no valor de R$ 79,00. A participação deve ser confirmada por meio do hot site do evento: plugwoman.com.br.

“O evento, que visa valorizar a presença feminina no meio publicitário, pretende receber convidados de todos os gêneros, áreas e interesses. Os presentes irão assistir palestras que abordam tanto o mercado de trabalho quanto o feminismo, incluindo debate e roda de perguntas”, reforça a comunicação do Plugcitários.

A equipe responsável pelo PlugWoman informam, ainda, que 20% do lucro do evento será doado para a Artemis, entidade fundada em 2013 que luta pela autonomia feminina e pelo fim da violência contra a mulher, “principalmente na questão das violações que acontecem na gestação e na hora do parto”.