OPINIÃO

Publicidade Infantil: uma discussão de extremos

Há anos venho discutindo o contexto da publicidade infantil na sociedade em que vivemos. Até que ponto a publicidade é realmente a responsável por hábitos de consumo? Até que ponto ela determina os desejos de crianças e jovens?

Tenho convicção que não existe resposta definitiva a essas perguntas. Há estudos recentes, realizados pela USP, por exemplo que contradizem aqueles mais antigos.

E porque, depois de uma década debatendo o assunto, não chegamos num modelo que satisfaça as partes? Simplesmente porque as discussões que se travam são sempre polarizadas. Depois de anos de reflexões e estudos, percebo que qualquer extremo é um grande equívoco e prejudica muitíssimo o debate.

Bato nessa tecla há muito tempo. Porque temos que ser extremistas? E, se você vai me dizer que quando se trata de proteger as crianças, devemos ir aos extremos, tenho que te dizer que, com todo respeito, você não entende de crianças e nem do mundo em que vivemos.

Se cada criança é um indivíduo único e vive em realidade única, como podemos dizer que a recepção de mensagens midiáticas pode “bater” da mesma maneira para todas as crianças?

Tenho dois filhos e duas netas. Nada do que foi aplicado individualmente a qualquer um deles, pôde ser replicado da mesma forma aos demais. Cada um necessitou e necessita de abordagem diferente no momento de uma conversa. Cada um deles sente o mundo e o percebe à sua maneira.

Como podemos avaliar o conteúdo infantil pelo prisma adulto? A visão infantil deve ser avaliada desta maneira? Não vejo como algo coerente ou justo. Quem convive verdadeiramente com uma criança, sabe que elas são surpreendentes. Fazem caminhos que muitas vezes nós adultos desconsideramos.

Eu realmente não acredito que a publicidade seja a vilã do consumismo infantil. Acreditar que a proibição da publicidade vai proteger a criança de alimentar desejos de consumo é leviano. Desconsidera o que mais pesa na formação do indivíduo: o exemplo. A criança é espelho e esponja. A mensagem midiática se sobrepõe ao contexto social e familiar? No que você acredita?

Eu acredito verdadeiramente numa posição equilibrada em relação a esse tema. Acredito na eficácia da classificação indicativa, em políticas públicas de educação e em regras claras para a publicidade. Mas eu realmente não acredito num mundo de extremos. Eu não acho que calar a voz de um mercado seja justo nem tampouco ético.

A polarização é uma violência contra as ideias e contra a reflexão. Polarizar é julgar, violentar e agredir. A polarização significa que ninguém escuta ninguém. E eu não vejo onde podemos chegar desta maneira. Eu não vejo ganhos para lado algum nesse formato de debate.

A verdade jamais estará nos extremos, nas pontas de nenhum debate. A virtude está no equilíbrio dessas verdades, na conciliação. Na união para o bem comum. Essa é a minha verdade. É nisso que eu acredito e pelo que vou batalhar até o fim. Vamos juntos?

Marici Ferreira. Presidente da Associação Brasileira de Licenciamento (ABRAL) e diretora de redação das revistas Zero à Três e Espaço Brinquedo, especializadas no segmento infantil.

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Leitor-Articulista

Leitor-Articulista

Espaço aberto para a veiculação de artigos produzidos pelos usuários do Portal Comunique-se. Para ter seu conteúdo avaliado pela redação, com possibilidade de ser publicado na seção 'Opinião', envie e-mail para jornalismo@comunique-se.com.br, com “Leitor-articulista” no assunto.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017