MARKETING & PROPAGANDA

Publicitários acusam Lula e Dilma de autorizar pagamento de campanhas com caixa 2

dilma - lula -publicitários - EBC
(Imagem: EBC)

De acordo com as delações dos publicitários João Santana e Mônica Moura, os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff tinham conhecimento sobre o caixa 2 usado para pagar o marketing das campanhas presidenciais.

O casal reafirmou o que já haviam dito ao juiz Federal Sérgio Moro, que as negociações eram intermediadas pelo ex-ministro Antônio Palocci, o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari e o ex-ministro Guido Mantega, mas quando as quantias eram altas, era necessário a autorização do ex-presidente Lula.

Na delação, Santana disse que Palocci tinha pleno poder sobre conta de caixa 2 do PT junto à empresa Odebrecht. Os pagamentos, no entanto, não eram feitos em dia, motivo pelo qual o publicitário fazia cobranças diretas a Lula, que se comprometia a resolver.

Ainda de acordo com os marqueteiros, na campanha de Lula de 2006, R$ 10 milhões foram pagos de maneira não oficial.

Já na campanha de Dilma de 2010, R$ 15 milhões não foram declarados à Justiça Eleitoral; na de 2014, o valor chegou a R$ 35 milhões, segundo a delação. Todos esses valores precisavam e foram autorizados por Lula.

Ainda segundo Mônica, Dilma tratou pessoalmente de caixa 2. A publicitária afirmou que a ex-presidente chegava a passar informações sobre o andamento da Operação Lava Jato, usando dois e-mails secretos.

O casal teria sido avisado até mesmo da emissão dos mandados de prisão e da operação contra eles. Segundo o relato, quando os valores devidos começaram a atrasar, Dilma teria em diversas ocasiões se comprometido pessoalmente a resolver a situação.

Os publicitários também afirmaram que Dilma teve despesas pessoais pagas pelo casal, quando já ocupava o Palácio do Planalto em 2010.

Entre as provas apresentadas estão anexadas ao processo e-mails, comprovantes de viagens, anotações em agendas, contratos e outros documentos.

Em nota, a defesa de Lula afirmou que as declarações nada provam e disse que Lula sofre de perseguição política por meios jurídicos.

Também em nota, a ex-presidente Dilma Roussef reafirmou que João Santana e Mônica Moura prestaram falso testemunho e faltaram com a verdade nos depoimentos, provavelmente, segundo o texto, pressionados pelas ameaças dos investigadores.

As declarações são do acordo de delação premiada com a Justiça. O teor teve o sigilo retirado nessa quinta-feira pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

*Texto de Kariane Costa

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Agência Brasil

Agência Brasil

Agência pública de notícias criada em 1989, logo após a incorporação da Empresa Brasileira de Notícias (EBN) pela extinta Empresa Brasileira de Comunicação (Radiobras). Em 2007, com a criação da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que incorporou a Radiobras, passou a integrar o sistema público de comunicação.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017