MAIS COMUNICAÇÃO

Rádios cobram direito a acessar verba pública de mídia

rádios - direito - verba pública - mídia
(Imagem: Geraldo Magela/Agência Senado)

Aumento da potência de transmissores, acesso a recursos de verbas públicas de mídia e direito a receber anúncios comerciais. Essas foram algumas das reivindicações feitas por representantes de rádios comunitárias que participaram de audiência pública da Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) sobre o tema em abril. Eles cobraram a atualização da Lei 9.612/1998, a Lei da Radiodifusão Comunitária.

Presidente da Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária, Geremias dos Santos afirmou que o governo permitiu a criação das “radcoms”, o que foi grande passo, mas as condenou a “morrer de fome”, já que não previu formas de financiamento. Em meio a isso, elas precisam pagar despesas fixas como aluguel, internet e telefone e até mesmo os direitos autorais de músicos e compositores ao Escritório Central de Arrecadação (Ecad), o que dificulta a continuidade dos trabalhos.

“Queremos ter acesso a verbas públicas de mídia. É absurdo não termos acesso a verba de mídia que prefeituras, câmaras, assembleias legislativas, governos estaduais e federal têm disponíveis”, afirmou.

O dirigente pontuou outros tópicos que precisam ser revistos na legislação das rádios comunitárias, como a possibilidade de expansão, com três canais por município, o aumento da potência dos transmissores dos atuais 25 watts para 250 watts, numa preparação para a rádio digital, e até a previsão de formar rede de rádios comunitárias pelo Brasil inteiro. A Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária participou de congresso sobre o tema, e a ideia, explicou Geremias, é que se elabore anteprojeto de iniciativa popular com as alterações discutidas, que poderiam ser feitas até mesmo por medida provisória se houvesse vontade política, opinou.

O senador Helio José (PMDB-DF), autor do requerimento da audiência, prometeu conversar com o líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR) para estudar o assunto.

Mídia

Rodrigo Gebrim, representante do Ministério das Comunicações, esclareceu que as radcoms podem fazer propaganda, receber o chamado “apoio cultural”, especialmente do comércio local e da comunidade, desde que as chamadas não divulguem preços e condições de pagamento. Disse também que o governo e o Ministério não se opõem ao acesso à verba de mídia, mas lembrou que é preciso haver a mudança na legislação para isso.

Também falou sobre o processo de outorga, com mudanças implantadas pelo Ministério das Comunicações que vão diminuir o tempo para a autorização de funcionamento de novas rádios comunitárias. Se antes cada processo levava pelo menos quatro anos, ele agora está em cerca de um ano e a expectativa é de que caia para seis meses. São 4.775 rádios comunitárias em operação no país desde a sanção da Lei 9.612.

“Não tem como falar que não damos prioridade nem prezamos o serviço; o número de outorgas fala por si só”, disse.

Ele pediu ajuda à Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária e aos radiodifusores para divulgar a abertura dos editais, para que exista pelo menos uma rádio comunitária em cada município brasileiro. E, principalmente, que chamem a atenção dos responsáveis pelas rádios para que verifiquem as documentações para a renovação das outorgas, para que o cancelamento não seja feito por questões burocráticas.

e-Cidadania

Muito demandado pela participação dos internautas pelo e-Cidadania, que acusaram várias rádios comunitárias de fazer proselitismo e divulgar apenas conteúdo dirigido, seja político ou religioso, por exemplo, Rodrigo Gebrim mais uma vez pediu a ajuda da população para denunciar quem faz mau uso do veículo de comunicação.

“Denunciem, temos setor específico no ministério que cuida disso. O conteúdo das rádios deve ser aberto para a comunidade, com pluralidade de opinião. É de nosso interesse atuar, mas precisamos de ajuda para isso. É impossível fiscalizar o conteúdo de todas as rádios comunitárias”, afirmou.

Perseguição

Marcus Vinicius Paolucci, assessor técnico da Agência Nacional de Telecomunicações, também lembrou que a Anatel fiscaliza as radcoms de acordo com o estabelecido em lei, e que as mudanças, portanto, precisam partir do Legislativo. Também negou haver perseguições às rádios comunitárias nas fiscalizações.

“Repudio frontalmente a acusação de perseguição”, disse.

O representante da Anatel, inclusive, citou portarias e normativos editados pelo Ministério das Comunicações que facilitaram a atuação das rádios comunitárias nos últimos anos. Exemplo disso foi a alteração do conceito para determinadas situações que deixaram de ser crime de “clandestinidade” e se tornaram apenas “irregularidades técnicas”. Isso significa que as penalidades se dão apenas em âmbito administrativo.

Rádios comunitárias querem inclusão em MP que regulariza prazos de concessões

Projetos permitem publicidade paga em rádios e TVs comunitárias

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017