ESPECIAIS JORNALISMO

Releases: um mal necessário para as redações

Enviar informações e pautas por e-mail é considerado importante, mas, para os jornalistas brasileiros ainda há muito que melhorar. A afirmação é resultado de uma pesquisa realizada pelo Comunique-se, em parceria com a Deloitte. O levantamento, feito em agosto, aponta que apenas 7% da amostra aproveita a maior parte do material recebido.

Segundo os dados, a internet representa um avanço e é importante receber informações em tempo real, entretanto, 32% dos entrevistados ponderam que é preciso encontrar meios que ajudem o jornalista a filtrar melhor as informações recebidas. Em outro gráfico, ao serem questionados sobre a importância do envio de releases, 66% dos profissionais disseram que é necessário, porém muito material “inútil” chega às caixas de entrada.

Alguns problemas ressaltados pelos entrevistados têm relação com o conteúdo – eles afirmam que geralmente recebem textos grandes e desinteressantes, e que fotos só deveriam ser enviados caso o jornalista solicite, pois pesam demais. Conhecer o veículo para o qual se encaminha a sugestão também figura entre os itens mais importantes, de acordo com os profissionais de comunicação.

Realizada de forma online de 13 a 31 de agosto, a pesquisa “Fala, Jornalista!” contou com 711 respondentes. Dentre eles, 50,4% e 48,4% correspondem ao sexo masculino e feminino, respectivamente. A média de idade dos participantes é 36 anos e profissionais de jornal impresso representam o maior percentual da amostra (28,8%), seguido por revista (20,5%) e internet (14,9%).

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Nathália Carvalho

Nathália Carvalho

Jornalista com oito anos de experiência em reportagem. Especializada na cobertura do mercado de comunicação, bastidores do jornalismo, marketing, publicidade e propaganda. Graduada pela Faculdade Paulus de Tecnologia e Comunicação e pós-graduada em Cinema, Vídeo e Fotografia: Criação em Multimeios na Universidade Anhembi Morumbi.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017