OPINIÃO

Uber: nenhuma articulação política acabará com a economia colaborativa

uber aplicativo artigo
(Imagem: Divulgação)

O transporte remunerado individual de passageiros aberto ao público é atividade privativa do profissional taxista, inclusive quando a conexão entre usuários e motoristas ocorrer por meio de plataformas digitais”. Esse texto que remete a um verdadeiro retrocesso, fazer parte de uma proposta alternativa que visa deixar a legalização do UBER, somente para as esferas municipais.

Porém, deixando de lado o que pode ou o que não pode, ou o que é ou não direito de uma determinada classe, quero fazer um convite para um tópico que transcende essa questão, que é a necessidade do consumo, ou seja, o que as pessoas querem. Em minhas aulas que ministro na ESPM, afirmo que nenhuma marca, projeto, classe ou empresa é maior do que o mercado.

O Uber pode até acabar no Brasil, mas a ideia, formato e a necessidade por serviços bons e que atenda a todos os bolsos, não acabarão. Surgirão outros serviços provenientes da economia colaborativa para atender as mais novas necessidades de consumo.

Infelizmente, políticos estão mostrando total miopia ao mercado e ao comportamento do consumidor contemporâneo, literalmente estão tampando o sol com a peneira. Em meio a este cenário, cabe uma reflexão: Por qual razão nenhumaarticulação política acabará com a economia colaborativa?

A tendência veio para ficar, especialmente porque é regida por três grandes forças: social (as pessoas compartilham mais, por exemplo), econômica (escassez de recursos) e tecnológica (ascensão de uma geração que cresceu com a internet e se conecta com outras pessoas em proporções muito maiores do que antes).

Os taxistas ainda não perceberam que o aplicativo não deve ser considerado um inimigo. E, sim, um bom exemplo desta revolução do consumo. Em resposta ao rápido e feroz crescimento do aplicativo Airbnb, maior plataforma de aluguel de casas, apartamentos, sem ter um imóvel se quer, a rede de hotéis Marriot, embora presente em um mercado completamente distinto, deve servir como exemplo.

Ao invés de lutar contra o fenômeno, a marca agiu de forma inteligente. Ela credenciou com o selo Mariott casas de pessoas que alugavam um quarto e indicou clientes provenientes do programa de lealdade que a rede cultiva. No final de tudo, a rede negociou algo em entre 10% e 20% de participação no revenue do locatário do quarto.

Um mercado está surgindo. A ruptura continua. Empresas e profissionais ainda podem escolher em qual lado da história querem estar. E aí se incluem os taxistas. Fazer parte dessa revolução repensando modelos de negócios e fomentando essas iniciativas (encontrando uma denominador comum para o tipo de retorno que espera) ou assistir de camarote e provavelmente serem guilhotinados? É um caminho sem volta.

A briga está apenas começando.

Gabriel RossiPalestrante profissional em marketing, estrategista especializado na construção e no gerenciamento de marcas e reputação e diretor-fundador da Gabriel Rossi Consultoria, com passagens por instituições como Syracuse/Aberje, Madia Marketing School, University of London e Bell School. Especialista convidado para lecionar no curso de extensão da Fundação Escola de Sociologia e Política (FESP) e na pós-graduação de Marketing da USP.

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Leitor-Articulista

Leitor-Articulista

Espaço aberto para a veiculação de artigos produzidos pelos usuários do Portal Comunique-se. Para ter seu conteúdo avaliado pela redação, com possibilidade de ser publicado na seção 'Opinião', envie e-mail para jornalismo@comunique-se.com.br, com “Leitor-articulista” no assunto.

COMENTAR

COMENTAR