MARKETING & PROPAGANDA

Valor do caixa 2 em campanha eleitoral surpreendeu, diz Gilmar Mendes

caixa 2 - gilmar mendes
O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Gilmar Mendes (Imagem: Marcello Casal Jr/Arquivo/Agência Brasil)

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, declarou na segunda-feira, 6, que todo o TSE ficou surpreso com o volume de caixa 2 na última campanha eleitoral à Presidência, mesmo diante do alto montante gasto oficialmente, tanto pela chapa da candidata Dilma Rousseff, quanto pela do candidato de oposição, Aécio Neves.

“Agora, estamos vendo o significativo percentual que foi doado por caixa 2, de maneira informal”, disse. Gilmar Mendes foi um dos palestrantes do Fórum Reforma Brasil, promovido pela Associação Comercial de São Paulo, Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo e Instituto Panthéon Jurídico, na capital paulista.

Para as eleições presidenciais de 2018, o presidente do TSE defendeu a elaboração de uma estrutura para regular o tema, que precisa entrar na agenda de votações do Congresso Nacional até setembro. “Estamos num vazio. Corremos o risco de termos um quadro, talvez, de anomia [ausência de regras e normas], de falta de controle”, disse.

Nova lista
Gilmar Mendes classificou de “seletivos” os vazamentos dos acordos de delação premiada de investigados na Operação Lava Jato. “O vazamento não é bom, provoca instabilidade e tem também objetivo de atingir determinadas pessoas. É seletivo e causa todos os problemas”, declarou.

Ele não comentou a nova lista da Lava Jato a ser divulgada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. “Vamos aguardar as medidas que a Procuradoria vai tomar, certamente na semana que vem ou daqui a pouco. O relator vai deliberar sobre o levantamento do sigilo, e, certamente, poderemos saber mais [sobre] as informações autênticas dadas nessas delações”, disse.

Sigilo
O depoimento do empresário Marcelo Odebrecht ao ministro do TSE Herman Benjamin, na quarta-feira (1), sobre caixa 2, foi feito sob regime sigiloso e a portas fechadas.

Após o depoimento, a assessoria da ex-presidenta Dilma Rousseff divulgou nota na qual afirma que todas as doações a suas campanhas foram feitas de acordo com a legislação, tendo as duas prestações de contas sido aprovadas pelo TSE.

Reportagem: Fernanda Cruz
Edição: Augusto Queiroz