COMUNICAÇÃO

Jornalistas da Época são ameaçados após reportagem

jornalistas revista epoca
Capa da revista Época revela como funciona a máquina de ódio na internet (Imagem: Reprodução)

Jornalistas da revista Época estão sendo ameaçados após reportagem que fala justamente sobre a propagação de ódio na internet brasileira

Propagar ódio na internet e ainda ganhar dinheiro com isso. Esses foram pontos tratados na reportagem “Como funciona o maior grupo de propagação de ódio na internet brasileira, que lucra com misoginia, racismo e homofobia”, veiculada na revista Época, publicação da Editora Globo. A apuração e o texto foram assinados pelos jornalistas Daniel Salgado, Igor Mello e Marcella Ramos, que agora estão sendo ameaçados.

Nesta semana, de acordo com reportagem da Folha, três entidades se uniram para repudiar a violência que está acontecendo com os profissionais de imprensa. São elas: A Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), a Aner (Associação Nacional de Editores de Revista) e a ANJ (Associação Nacional de Jornais). “A Abert, a ANJ e a Aner repudiam tais ações, que têm a intenção de tentar calar e intimidar a imprensa. Os profissionais e veículos de comunicação continuarão a cumprir sua principal missão –a de informar a sociedade sobre fatos de interesse público”, diz trecho do comunicado divulgado pelas entidades. Para as entidades, as autoridades competentes precisam trabalhar na identificação e punição dos responsáveis pelas mensagens de ódio.

De maneira detalhada, os jornalistas da revista Época mostraram na reportagem como a internet passou a ser palco para a propagação de ódio, assim como apresentou personagens que foram vítimas de grupo organizados. A matéria cita o fórum criado por Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues, chamado de Dogolachan, que atua no mundo do ódio com conteúdos racistas, machistas e homofóbicos.

No conteúdo, a revista conta que os propagadores do ódio apostam em conteúdos que geram indignação dos internautas, como homofobia, apologia da pedofilia e ataques racistas e misóginos, e também costumam mirar em personalidades com fama na rede. Além disso, os grupos responsáveis pelas violências tentam ganhar dinheiro com o uso de fóruns de discussão radicais, usados para atrair audiência para páginas e blogs que usam máquinas e energia na mineração de criptomoedas.

SOBRE O AUTOR

Redação Comunique-se

Equipe responsável pela produção de conteúdo do Portal Comunique-se. Atualmente, a redação é composta pelo editor Anderson Scardoelli e a repórter sênior Nathália Carvalho.

COMENTAR

COMENTAR