ESPECIAIS JORNALISMO

Balanço de 2016: ao menos 11 veículos de comunicação foram encerrados no Brasil

O ano de 2016 não foi fácil para imprensa brasileira e seus profissionais. As empresas de mídia sofreram com os reflexos das crises política e econômica enfrentadas pelo país. Em levantamento realizado pela reportagem do Portal Comunique-se, foi identificado que ao menos 11 veículos de comunicação fecharam as portas – ou deixaram de circular em papel – durante os últimos 12 meses.

De acordo com o levantamento, no total, foram encerrados os trabalhos de uma emissora televisiva, duas rádios, um site de notícias e sete impressos. Veículos históricos deixaram o papel, para ocupar apenas a internet, enquanto outros infelizmente anunciaram o fechamento de suas redações de forma definitiva.

Rádio, TV e internet
Em outubro, foram anunciados os fechamentos de dois veículos controlados pela Rede Amazônia: a TV Amazon Sat e a Rádio CBN. As emissoras funcionavam no Acre e, com o fechamento, passaram a reproduzir conteúdo desenvolvido pela rede em Manaus. Pelo menos 15 funcionários – entre jornalistas, operários e pessoal de apoio – foram demitidos.

A Rádio Globo de Belo Horizonte encerrou suas atividades após 14 anos de funcionamento. Conhecida por sua programação esportiva, a emissora do Sistema Globo de Rádio (SGR) deixou de ser transmitida na capital mineira em 12 de dezembro. Com isso, mais de 20 profissionais foram dispensados, entre jornalistas, operadores de áudio, equipe técnica e o famoso narrador Osvaldo “Pequetito” Reis.

De acordo com o jornal Mineiro O Tempo, a justificativa para o fim das operações teria sido o custo da operação. Porém, em contato com a reportagem do Portal Comunique-se, a direção do Sistema Globo de Rádio afirmou que o fechamento representa “uma interrupção temporária, como parte de um amplo projeto de relançamento da emissora”.

Apenas um ano após lançar o site Fato Online, o empresário e idealizador do projeto, Silvio Assis, encerrou as atividades do portal de notícias, admitindo problemas financeiros e risco se despejo da sede do veículo em Brasília. Com o encerramento, mais de 100 funcionários levaram calote de salários relativos a dezembro e 13º de 2015, janeiro e fevereiro deste ano.

Crise no impresso
Para os veículos impressos, o cenário negativo não foi diferente. Em janeiro, a Gazeta do Oeste – que circulava no município de Mossoró, no Rio Grande no Norte – fechou as portas após 38 anos de atuação no jornalismo. A decisão foi tomada pelo corpo diretivo por causa de problemas financeiros.

Lançado em 1985, o Jornal da USP teve sua versão impressa encerrada em março. O periódico mantido pela Universidade de São Paulo passou a trabalhar penas com o formato digital. A decisão foi confirmada pelo superintendente de Comunicação Social, o professor Eugênio Bucci, que considerou o momento como “mudança de hábito”.

Outro veículo que também encerrou sua versão em papel foi o Jornal da Paraíba, que circulou pela última vez em 10 de abril. Em reformulação, a empresa optou por investir no digital e isso resultou em 91 demissões. Em nota oficial divulgada na época, a Rede Paraíba de Comunicação, detentora da marca, informou que a decisão de encerrar o impresso, que teve 45 anos de história, seguia tendência mundial e era resultado do crescimento das plataformas digitais.

O Jornal do Commercio do Rio de Janeiro, publicação dos Diários Associados, encerrou em abril sua história de quase 189 anos de circulação ininterrupta, tendo o posto de mais antigo da América Latina. A empresa deixou de produzir também a versão online do veículo e anunciou o fim do impresso Diário Mercantil. Com o encerramento das publicações, cerca de 24 profissionais da redação foram dispensados.

Veículo de circulação no município de Itabuna, no Sul da Bahia, a versão impressa do jornal A Região deixou de existir em outubro de 2016. Segundo o site Blog de Ilhéus, o diretor Marcel Leal justificou o fim do semanário afirmando que o jornal era ignorado pelos anunciantes, por isso não havia mais condições de bancar a edição em papel.

Em outubro deste ano, o mensário Jornal da Noite, de Porto Alegre, anunciou que estava fechando as portas, após 30 anos de história e o falecimento de seu fundador e editor, Danilo Ucha. A última edição da publicação teve 12 páginas, dedicadas inteiramente a homenagear o jornalista.

Responsável pelo jornal Correio de Uberlândia, no triângulo mineiro, o grupo Algar anunciou em novembro que as atividades do impresso serão encerradas no último dia do ano. No comunicado divulgado pela empresa, não foi informado o número de funcionários que serão demitidos, qual o destino da edição eletrônica do jornal ou as medidas que serão tomadas com relação a investidores e anunciantes.

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Tácila Rubbo

Tácila Rubbo

Estudante do 7º semestre do curso de jornalismo da Fiam-Faam, 23 anos. Trainee de redação do Portal Comunique-se desde setembro de 2016. Começou na empresa como estagiária, função que desempenhou por um ano e dez meses. Atualmente, é a responsável pelo conteúdo de parceiros publicado no site, avaliando os materiais recebidos e mantendo contato com os “articulistas-parceiros”. Além disso, cuida de produções externas e, claro, produz notas e reportagens especiais.

15 Comentários

COMENTAR

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017