OPINIÃO

As pessoas só assistem a vídeos curtos na internet?

internet - vídeos curtos - vídeos longos - artigo do jornalista paulo silvestre
(Imagem: reprodução)

Articulista-parceiro do Portal Comunique-se, o jornalista Paulo Silvestre cita um caso que vai na contramão sobre vídeos curtos na internet. Em seu canal no YouTube, o britânico The Guardian tem investido em produções de até 20 minutos de duração

As pessoas só assistem a vídeos curtos na internet! Será mesmo?

O britânico “The Guardian”, um dos jornais mais respeitados no mundo, atingiu recentemente 1 milhão de assinantes e atingiu 1 bilhão de minutos assistidos no YouTube. Qual o segredo? Diminuiu a produção de vídeos de até um minuto e aumentou os longos, que chegam a superar 20 minutos de duração.

Leia mais:

Isso contraria tudo que estamos acostumados a ouvir sobre vídeos nas redes sociais, que devem ser necessariamente curtos, ou ninguém vê. A publicação fez essa aposta com conteúdo investigativo e reportagens de alta qualidade.

Costumo explicar em cursos e palestras que, se você é capaz de manter alta a sua energia diante da câmera e realmente tem algo a dizer e de interesse de seu público, sem enrolação, com domínio da linguagem audiovisual, seu vídeo pode ter a duração que for: as pessoas verão até o final. As minhas próprias produções giram em torno de nove minutos, e os resultados são ótimos!

“[O Guardian] diminuiu a produção de vídeos de até um minuto e aumentou os longos, que chegam a superar 20 minutos de duração”

Portanto, não dê tanta atenção às regrinhas, e se preocupe em fazer algo que realmente contribua com seu público.

E você, como faz? Do que gosta? Compartilhe conosco sua experiência com vídeos nas plataformas.

***** ***** ***** ***** ****

Texto publicado originalmente na página do autor no Facebook.

SOBRE O AUTOR

Paulo Silvestre

Paulo Silvestre

Consultor, palestrante e professor de mídia e cultura digital. Jornalista apaixonado por tecnologia, está online desde 1987 e trabalha com comunicação digital desde 1995, quando ajudou a colocar a Folha de S. Paulo na internet. Atuou no UOL, AOL, Abril, Estadão, Microsoft, Samsung e Saraiva. Ministra cursos de pós-graduação no Mackenzie, PUC-SP, ESPM, Metodista e Senac-SP. Foi eleito como um dos brasileiros mais influentes do LinkedIn pelo prêmio Top Voices. Nessa rede, é o terceiro com mais seguidores (atualmente mais de 500 mil).

COMENTAR

COMENTAR

Prêmio Comunique-se