OPINIÃO

Até que a primeira crise nos separe – por Fernando Guifer

crise - artigo - guifer
(Imagem: Divulgação)

Quer ser feliz no amor? Mude. (ou vai morrer sozinho!)

Tu sabe o motivo pelo qual alguns casamentos duram 50 anos ou mais? Certamente não é por serem compostos por almas-gêmeas que acreditam em uma utópica perfeição de ambos os lados. É porque são formados por espíritos distintos que resolveram engolir o próprio ego, entendendo que são diferentes e, principalmente, acreditando que felicidade a dois tem muito a ver com o ‘ser adaptavelmente tolerante’ – e só. Simples e sem o mimimi apregoado pelos tais contos de fadas.

O mais belo não é saber lidar com as qualidades do parceiro; o mais sublime é ter sabedoria para conviver com os defeitos mais latentes, já que são eles quem determinarão a durabilidade e a intensidade da referida relação.

O futuro afável não é uma matemática exata que possa ser medido, por exemplo, pelas páginas de uma revista Capricho ou pelas previsões de um (astrólogo) João Bidu da vida. O universo que rege o amor e as relações de afeto é abrangente e possui muito mais nuances do que a mente humana pode imaginar ou alcançar.

Não tem essa de ‘meu número’ ou ‘tampa da minha panela’ ou o famoso ‘encaixe perfeito’. Não há segredos para o amor se não o simples ato de amar.

O que existe é: pessoas mais tolerantes e pessoas menos tolerantes; pessoas mais turronas e pessoas mais flexíveis.

Se você (der sorte e) se relacionar com alguém tolerante, terá 50% do caminho andado. Aí, então, deverá cruzar os dedos para ser parte dessa completude, ou seja, torcer para que você seja os outros 50% de estabilidade emocional que falta para dar ‘match’ e seguir com sua relação de forma estável – e essencialmente sustentável.

Todos podemos ser o par perfeito de alguém, desde que estejamos dispostos a mudar para dividir momentos marcantes ao lado desse determinado alguém. Do contrário, não seremos o par perfeito de ninguém e nem um bom parceiro para qualquer alguém que seja.

O relacionamento começa a tomar corpo quando entendemos e achamos natural que nosso par seja diferente de nós. Mas, olha… não é na crise que essa distinção será descoberta, acredite. O casal tem que passar pela crise para conseguir absorver, mastigar, assimilar, internalizar, e então tirar a venda dos olhos.

A crise na relação nos cega para as qualidades e nos desperta para os defeitos do parceiro. Assim sendo, nenhuma decisão deve ser tomada durante um transtorno de convivência entre o par. E, apesar das especulações sobre a tal dificuldade de convivência (namoro, noivado ou casamento), não há como dizer quando será o ápice do desentendimento, até porque é quase impossível prever qual estopim será o causador das primeiras “discussões de relação” (ou ‘DR’ para os mais íntimos).

Algumas pesquisas apontam que a primeira grande crise acontece geralmente quando o casal está há dois anos juntos, período em que o gostosinho já não é mais tão gostosinho, e que os defeitos, até então camuflados durante a paixonite, começam dar às caras e criar um círculo vicioso de irritabilidade na dupla.

Sabe aquela história do ‘não adianta fazer tudo igual e esperar resultado diferente’? Pois é. Se quiser manter uma relação até que a tal morte dê um basta, tu vai ter que se mostrar outro, entendeu? E a má notícia é que não existe atalho para isso.

Por um lado: se você insistir nessa de ‘é meu jeito e não mudo por nada’ e ‘me conheceu assim, agora aguenta’ – certamente vai morrer em uma decadente carreira solo;

Por outro, porém: se você resolver tomar juízo em prol de uma feliz vida a dois – vai envelhecer em uma dupla de sucesso.

Como sempre o destino dando voltas e jogando a escolha no teu colo. É simples: quero ou não quero, aceito ou não aceito.

E aí? Casou? Esqueça a vida de solteiro. Não é prisão, é respeito. Não queira para o outro o que não deseja pra si. Não se trata de frouxidão, mas sim, de colocar-se nos sapatos do outro. E ela, a empatia, será sempre a primeira grande prova de amor.

Quanto mais tempo juntos, maior o desgaste e, consequentemente, maior a probabilidade do fim, correto? Bem, pelo menos é isso o que dizem os “sábios” sobre o começo do fim dos relacionamentos amorosos, não é mesmo?

Contudo, apesar dessa pitada de lucidez no fundo do pote, não é (nem de longe) uma verdade que deva ser levada ao ferro e fogo ou muito menos um parágrafo que mereça ser encerrado com ponto final…

…Insisto na tese de que as vivências – sejam lá quais forem elas – são pessoais e intransferíveis, então, caímos naquele clichê de que “ninguém vive das experiências dos outros” e de que cada um poderá definir o destino através das próprias escolhas e atitudes.

Portanto, é mais do que possível desfrutar um final diferente do que o vizinho vivenciou – tanto para o bem quanto para o mal.

O tempo médio para uma relação formada por fios descascados dar início às faíscas/curtos-circuitos varia de casal para casal, e a maturidade (ou a falta dela) é quem vai ditar a união até que a morte ou até que a primeira crise os separe.

Somos um diamante bruto que, nos caso de relação afetiva, precisa ser lapidado por nós mesmos. Primeiro, porque ninguém é capaz de nos mudar; segundo, porque ser feliz é uma alternativa que deve partir sempre do maior interessado: nós mesmos.

Não há quem seja capaz de fazer a gente mudar, mas todos estamos profissionalmente habilitados em nos transformar por um alguém especial. Tudo é uma questão de esforço, comprometimento e tentativas.

Não é tarefa fácil dar um gás na personalidade ou em hábitos que já nos foram condicionados durante a vida de solteiro, mas quem disse que seria? Quem foi o insano que proferiu aos quatro ventos que a felicidade cai no colo? Compartilhar um sentimento é difícil e requer uma força de vontade absurda, assim como em qualquer mudança brusca na vida.

Nós, humanos, somos muito resistentes às metamorfoses, mas o lado bom é que nossa capacidade em adaptar-se ao novo também é incrível. E quando essa mudança tem como propósito ser feliz, ela torna-se prioridade imediata.

Vai lá.

Reflita. Mude. Cresça. Ame.

E, seja feliz.

Não é vergonha, meu amigo. É progresso!

SOBRE O AUTOR

Fernando Guifer

Fernando Guifer

Jornalista e escritor. Formado em comunicação social pela Universidade Nove de Julho (Uninove) e especializado em jornalismo esportivo pela FMU. É autor do livro Diamante no Acrílico – entre a vida e o melhor dela, em que narra o período que acompanhou a batalha de sua filha, Laís, que nasceu prematura e ficou internada por 80 dias.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

  • SUATV - TV Corporativa, Mural Digital e Digital Signage é SuaTV
  • RIWEB
  • Dino
/* ]]> */

Prêmio Comunique-se 2018