COMUNICAÇÃO

Era uma vez… Jogadores e jornalistas no céu

Transformar a tragédia que vitimou fatalmente 71 pessoas em fábula, como uma história infantil lida de pai para filho, com direito a começa pela característica frase “era uma vez”. Essa foi a missão da equipe de comunicação da Chapecoense ao produzir a edição de dezembro de seu informativo – revista disponibilizada integralmente na internet. Na história, os responsáveis pelo conteúdo enaltecem, um a um, todos os brasileiros que acompanhavam a delegação do clube para a final na Copa Sulamericana, na Colômbia. Mortos? Não! Foram, sobretudo jogadores e jornalistas, os convocados por Deus para uma partida no céu.

No texto que relata a história como ficção, o pai conta ao seu filho – torcedor da Chape – que Deus escolheu os melhores jogadores, comissão técnica, dirigentes e demais componentes do futebol para serem os campeões além do mundo. Com tantos destaques, 20 profissionais da mídia foram requisitados para cobrir todos os detalhes da partida divina, pois, segundo o relato, “aquele time, tão querido, seria alvo de muitos holofotes, afinal era favorito ao título do campeonato que jogariam no céu”. Isso porque toda a imprensa iria “disputar com afinco uma oportunidade de entrevista”. Para ajudar nessa tarefa e na divulgação dos bastidores da ação, ninguém melhor do que os dois assessores de imprensa do clube: Gilberto Tomás e Cleberson Silva.

Ao fim do conto, o personagem paterno relata que não aguentou segurar as lágrimas ao relembrar o caso fatídico e que seu jovem filho percebeu o ocorrido e perguntou qual seria o futuro da Chapecoense. Seguindo o estilo fantasioso da história construída, ele segue que, mesmo sendo especiais, os atletas Alan Ruschel, Follmann e Neto não foram convocados para o jogo no céu porque Deus os escolheu para outra nobre missão: servirem de motivação para a reconstrução do time. Ao jornalista Rafael Henzel, também escolhido por Deus para outra missão, caberia a responsabilidade de “contar essa página histórica”.

Chapecoense, um time campeão no céu (Imagem: Reprodução)

Força para produzir o conteúdo
“Depois daquele interminável 29 de novembro, entre a incredulidade e a dor, encontramos a esperança e a certeza de que deveríamos dar continuidade ao legado deixado por nossos colegas e, acima de tudo, honrar o trabalho que, com tanto amor, eles realizavam”, escreveu Alessandra Lara Zuanazzi Seidel, do time de comunicação e marketing da Chapecoense, na fan page oficial do clube. Ela destacou, no conteúdo divulgado na última semana, mencionou os dois assessores que morreram na tragédia com o avião na Colômbia. “O informativo de dezembro, planejado com tanto carinho – inclusive e principalmente pelos nossos colegas da comunicação, Giba e Cleberson – deveria ser realidade”.

Além de Alessandra, os textos da edição de dezembro do informativo da Chapecoense foram produzidos por Ábner Steffen, Cissa Soletti, Eduardo Lima Guimarães (também responsável pela criação e diagramação) e Juliana Sá Zonta. Fora a fábula, a publicação fez questão de agradecer o apoio que tem recebido dos quatro cantos do planeta, em destaque para as ações organizadas pelo Atlético Nacional, time colombiano que seria o rival na final da Sulamerica, pelo público de Curitiba (que receberia a última partida do torneio internacional) e pelos times de todo o país.

O informativo de dezembro da Chapecoense – com o texto “Era uma vez” – pode ser lido gratuitamente por meio deste link.

SOBRE O AUTOR

avatar

Anderson Scardoelli

Orelhudo, observador e contador de histórias. Não necessariamente nessa ordem. De sua querida Estância Turística de Sapopemba, na zona leste de São Paulo, para o mundo. Graduado em jornalismo pela Uninove e com especialização em jornalismo digital pela ESPM, mas gosta mesmo de dizer que foi formado pelo Comunique-se. Trabalha na empresa há mais de 10 anos, indo de estagiário de pesquisa a editor sênior. No meio do caminho, foi estagiário de redação, trainee, subeditor, editor júnior e editor pleno. Gosta de escrever e de falar sobre (adivinhem?) jornalismo!

COMENTAR

COMENTAR