COMUNICAÇÃO

Morte de Paulo Barboza: rádio perde “o maior amor de São Paulo”

paulo barboza - radio - morte - o maior amor de sao paulo
Paulo Barboza construiu carreira no rádio paulistano (Imagem: divulgação/Super Rádio)

Dono do bordão “o maior amor de São Paulo”, Paulo Barboza morre aos 73 anos. Apesar da identificação com o público rádio paulistano, o comunicador era carioca 

“O maior amor de São Paulo”. Esse bordão não será mais ouvido pelos amantes do rádio. Comunicador associado à frase, Paulo Barboza morreu no início da madrugada desta segunda-feira, 16, na capital paulista. Aos 73 anos, ele foi vítima de infarto fulminante, conforme divulgado pelo portal G1. Ao anunciar a morte do apresentador, o site da Super Rádio 1150 AM, emissora em que ele estava atualmente, afirmou que a emissora e o meio radiofônico brasileiro estão “de luto”.

Paulo Barboza tinha mais de 50 anos de carreira na comunicação. Apesar de ser “o maior amor de São Paulo”, ele nasceu na Tijuca, bairro da zona norte do Rio de Janeiro. Foi no estado fluminense, inclusive, que teve os primeiros contatos com o dial. Os primeiros trabalhos foram em duas emissoras serranas: Rádio Imperial de Petrópolis e Petrópolis Rádio Difusora. Antes de começar a amar a capital paulista, o apresentador passou pela carioca Super Rádio Tupi.

Em São Paulo, Paulo Barboza se tornou um dos principais locutores do AM. Passou por rádios como Globo, Tupi, Record, América e Capital. Em janeiro de 2017, o colunista Anderson Cheni anunciou neste Portal Comunique-se que ele era o mais novo reforço da Super Rádio. Ele seguiu nos microfones da emissora paulistana desde então. Também no ano passado, em março, teve sua primeira – e única – experiência com web rádio. O renomado comunicador chegou a comandar programa na FJR.

Prefeitura lamenta

Os anos de trabalhos em rádios paulistanas e identificação com o público, fez a prefeitura de São Paulo externar publicamente o que o apresentador representou para o meio. “Paulo Barboza foi um dos maiores nomes do rádio nacional. Exerceu a profissão por 59 anos, sempre dando voz aos mais humildes e conectado com os anseios das pessoas. Cumpriu com maestria seu importante papel de comunicador”, diz a nota oficial.

Trabalhos na televisão

Nem só de AM e FM viveu a carreira de Paulo Barboza. Ele teve passagens por canais de televisão, sobretudo na década de 1980. Fez parte do time de apresentadores da hoje extinta TV Tupi. Foi, ainda, contratado de SBT, Record e Band. Mesmo sem comandar um programa na telinha nas últimas décadas, foi por ano integrante do júri escalado por Silvio Santos para o Troféu Imprensa.

Despedida

O corpo de Paulo Barboza foi velado nesta segunda-feira no Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra (SP). O comunicador era viúvo (foi casado durante 48 anos com Eliane Barboza) e tinha dois filhos, Paulo e Alexandra. Ele também deixa três netos: Paulo Felipe, Rodrigo e Maria Gabriella.

SOBRE O AUTOR

Redação Comunique-se

Redação Comunique-se

Equipe responsável pela produção de conteúdo do Portal Comunique-se. Atualmente, a redação é composta pelo editor Anderson Scardoelli e a repórter sênior Nathália Carvalho.

1 COMENTÁRIO

COMENTAR

Notícias Corporativas