OPINIÃO

Nunca tanto por tão pouco – Por Edson Edson de Oliveira

trabalho

Até que enfim, depois de oito meses (!), se eu contar os quatro que esperei para receber o primeiro trabalho, recebi o primeiro pagamento de um dos clientes para os quais transcrevo áudio.

O dinheiro foi pouco, cerca de 100 reais, mas já de para pagar, por exemplo, a conta de luz, que, graças a meu incansável controle sobre as contas de manutenção de meu lar, doce lar que sobram para eu pagar, ainda não chegou a três dígitos.

Só não solicitei o pagamento dessa pequena quantia antes porque o cliente não libera pagamentos abaixo de 100 reais, valor este ao qual, para chegar, só preciso transcrever 35 minutos de áudio para algum dos clientes que pagam 3 reais por minuto de áudio transcrito.

Leia mais:

Como utilizar técnicas de SEO em programas de podcast?
Quais foram as maiores demissões do jornalismo na pandemia?

Ainda bem que não dependo desse dinheiro para pagar minhas contas, ou iria atrasar o pagamento delas mais do que já tenho atrasado desde que os trabalhos dos clientes para os quais mais presto serviços diminuíram.

Se eu desse ouvidos a minha mulher, que detesta quando vejo se chegou trabalho bem na hora das refeições ou na hora em que ela mais precisa de minha ajuda nas tarefas domésticas, como dava a minha mãe, que costumava dizer que quem quer trabalhar não escolhe o que fazer nem quanto vai ganhar, já teria dispensado esse trabalho, mas, como ele, que pode levar minutos como levar horas para ser feito, não me faz atrasar a entrega do trabalho dos outros clientes, continuo testando minha paciência com ele.

Nunca esperei tanto para receber tão pouco, mas antes tarde do que nunca, como os três inesquecíveis calotes de que já fui vítima em, até aqui, duas décadas em meia de lida no espinhoso campo da revisão de textos: o último pagamento, um cheque sem fundo, do escritório de tradução e legendagem de vídeo em que estreei como revisor e o primeiro que deveria ter recebido de duas editoras de revistas.

SOBRE O AUTOR

avatar

Edson de Oliveira

Revisor há mais de 20 anos, corrigindo principalmente legendas de vídeo, transcrição de áudio, textos jornalísticos e acadêmicos, é editor dos blogues “Café Elétrico” e “Blogue da Revisão”.

COMENTAR

COMENTAR