OPINIÃO

Para trabalharmos felizes precisamos dos conflitos

felicidade - artigo - lygia pontes - capa
(Imagem: reprodução)

Comunicadora e consultora, Lygia Pontes coloca a felicidade em discussão. Como, até mesmo em empresa de comunicação, deixar as pessoas mais felizes no ambiente corporativa? Confira o texto da articulista-parceira do Portal Comunique-se

Como consultora em felicidade profissional e eficiência, é muito comum me perguntarem se auxílio meus clientes a fugirem de discussões ou como as pessoas podem agir para agradar chefes e colegas. Quando explico que faço justamente o oposto disso, o espanto é visível.

“Vamos considerar um ponto importante do trabalho: o relacionam”

Vamos considerar um ponto importante do trabalho: o relacionamento. No meu caso – e acredito que no da grande maioria dos profissionais (se não todos) – estou sempre em contato com outras pessoas, como clientes, fornecedores, parceiros. E, assim como em qualquer tipo de relacionamento, preciso estar atenta ao outro e fazer concessões, mas nunca deixando de lado as minhas prioridades, o que não posso abrir mão e minha autopreservação.

“Se não nos sentimos bem, não conseguimos construir relações positivas”

Margaret Heffernan deixa isso bem claro no livro O Poder das Pequenas Mudanças: “a aversão ao conflito e o desejo de agradar são universais e drenam nossa energia, iniciativa e coragem”. Por isso, quando nos colocamos de lado na tentativa de deixar o outro feliz, a nossa felicidade em trabalhar vai embora. E se não nos sentimos bem, não conseguimos construir relações positivas. Assim, impactamos de forma negativa o ambiente e alcançamos o efeito contrário.

Posso falar tudo isso com propriedade, porque tenho me aprofundado nesse tema há alguns anos. Digo isso devido à minha experiência profissional em empresas de diversos segmentos, principalmente de comunicação, onde não é raro vermos os profissionais enfrentarem desafios ao se relacionarem. Algo bem irônico, não é?