COMUNICAÇÃO

Chamada conjunta da CNPq contempla três pesquisas em comunicação no enfrentamento à Covid-19

pesquisas COVID-19

Chamada pública do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico premia 90 projetos de pesquisa em todo o Brasil

Na última terça-feira (7), foi divulgado o resultado da chamada pública para pesquisas de combate à Covid-19. Entre os projetos escolhidos pelo Conselho, três pertencem ao campo de estudo na área de comunicação. O anúncio, feito pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCIT) em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), contemplou 90 projetos com temas diversificados, desde tratamentos, vacinas, a diagnósticos e prevenção.

Os estudos em jornalismo selecionados são coordenados por Rose Marie Santini, Sandra Raquew dos Santos Azevedo e Denis Porto Renó; e abordam as estratégias de comunicação durante o período de pandemia, o combate às fake news e os processos comunicacionais em redes sociais.

Pesquisadora da área de tecnologias e linguagens, Rose Marie Santini (UFRJ) é responsável pelo projeto que fará uma análise sobre a forma de produção jornalística durante a crise de saúde pública mundial, intitulado “Infodemia e desinformação: revisão sistemática de literatura sobre estratégias de comunicação e informação em saúde em situações de pandemia”.

Leia Mais:

Webinar da Abraji e Internetlab abordará riscos da PL das fake news
Vale do Silício e imprensa vivem conflito gerado por redes sociais
Está aberto processo seletivo para mestrado na Cásper Líbero

Sandra Raquew dos Santos Azevedo, professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), coordena a pesquisa com enfoque no conteúdo veiculado durante a pandemia, nas redes sociais e grupos tradicionais de comunicação “Interface comunicação-saúde no combate a pandemia do Covid-19: gestão de conteúdo nas mídias sociais, combate a Fake News e agendamento midiático”.

O professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Denis Renó, é responsável pelo projeto intitulado “Educar e informar: a fotografia nos processos comunicacionais via Instagram sobre o COVID-19”, um dos três aprovados na instituição. A pesquisa será realizada junto a colaboradores do Brasil e Espanha Andrea Versuti (UnB), Teresa Piñeiro-Otero (Universidade da Corunha) e Xabier MARtínez-Rolán (Universidade de Vigo), e após análise de conteúdos no Instagram, produzirá um manual disponibilizado gratuitamente.

Para o pesquisador, o resultado é importante pois mostra reconhecimento da comunicação como ciência nesse momento de enfrentamento de uma pandemia, com aprovações em um edital de saúde. “Nosso papel é fundamental em qualquer cenário. Em um momento histórico como esse, o protagonismo da comunicação ganha um papel ainda mais importante”, afirma.

Projetos aprovados

O valor total concedido para a realização das pesquisas será de R$ 50 milhões, compostos por R$ 30 milhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e R$ 20 milhões do Ministério da Saúde, por meio do Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde (Decit/SCTIE).

Durante o anúncio, o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, ressaltou que o fornecimento de recursos para ciência e tecnologia não devem ser vistos como gastos, e sim como investimentos para a manutenção do sistema de saúde pública do país.

A seleção foi realizada entre 2.219 propostas. Apesar do tema central em saúde e do maior número de pesquisas aprovadas nesta área, o resultado divulgado contempla todos os campos do conhecimento, com pesquisadores de 50 instituições de ensino de todo o país. A região com maior volume de pesquisas é a Sudeste, com 48 projetos, seguida pelo Nordeste, com 16, Sul e Centro-Oeste, ambas com 11 e a região Norte, com 4.