OPINIÃO

Tudo o que você sempre quis saber sobre e-mail marketing

e-mail marketing - artigo

Criar uma base qualificada é o ponto inicial para o sucesso de qualquer campanha de e-mail marketing. Como mantê-la, no entanto, tem a ver com as dicas que vamos apresentar.

Em resumo, marketing significa um conjunto de estratégias, técnicas e ações cujo objetivo é agregar valor e atribuir relevância a produtos tangíveis ou intangíveis. A finalidade, claro, visa o lucro – estamos falando de capitalismo, baby. Se antecipando para atender necessidades ou desejos, reais ou fabricados, marketing não é uma ciência exata, com métodos rigorosos e resultados precisos. Pressupõe, antes de qualquer coisa, planejamento e adaptação.

Marketing digital é tudo isso, só que voltado aos múltiplos ambientes online. E, falando francamente, uma das maiores dificuldades da área é estabelecer proximidade com o consumidor final e apresentar melhores ROIs.  Uma ferramenta, no entanto, supre esse gap. Uma dica: ela é corriqueira e mais simples que muitos imaginam. Sabe de que instrumento estamos falando?

Bingo para quem falou e-mail marketing (Clap! Clap! Clap!). Fundamental em estratégias de marketing de conteúdo, mantém os clientes finais informados sobre os temas de interesse da empresa, os engaja em torno de causas, promovendo relacionamentos, e os faz avançar no funil de vendas até o desejado momento da compra. Mas, você pergunta: logo o e-mail marketing? Sim, a gente retruca. O e-marketing é ineficiente só para quem não consegue adaptá-lo à estratégia. Lembra quando, lá em cima, falamos sobre adaptação? Avance uma casa, jogador!

Criar uma base qualificada é o ponto inicial para o sucesso de qualquer campanha de e-mail marketing. Como mantê-la, no entanto, tem a ver com as dicas que vamos apresentar a seguir:

# 1 – Nunca, jamais, em hipótese alguma compre listas de e-mails:

Sabe aquele chato dos tempos do colégio que vivia tentando ser seu amigo? É a mesma coisa. Listas de e-mails compradas não funcionam e ainda podem sepultar a sua reputação. Além de base desqualificada com chances mínimas de retorno concreto, é uma prática inoportuna de entrar em contato com pessoas que não lhe concederam esse direito. Definitivamente, é o pior investimento.

# 2- Crie um título AR-RA-SA-DOR!

Exatamente como esse aí de cima: simples, objetivo e impossível de não ser visto. Lembre-se: o seu e-mail é só mais um entre vários outros na caixa de entrada do destinatário. Nesse ramo, se destacar é fundamental, colega. Portanto, não pense duas vezes em investir tempo e talento no título. Mãos à obra! Mas, só depois de ler as próximas dicas, okay?

# 3 – Não dispare e-mails marketing com frequência

Há um ditado português que diz: “quem muito abarca, pouco abraça”. No universo do e-mail marketing, é a mesma lógica: só dispare e-mails que tenham valor real para a sua base. Evite contato a todo momento ou você continuará parecendo o chato dos tempos do colégio. Segundo pesquisas, 69% das pessoas afirmam ser esta a razão número 1 para descadastrarem o remetente. Parcimônia, tá?

# 4 – Na medida certa

Outro ditado, brasileiríssimo, afirma o seguinte: “quem muito se ausenta, uma hora deixa de fazer falta”. Não, não estamos nos contradizendo: a overdose de e-mails irrita e faz grande parte da base ignorar ou mesmo cancelar os e-mails; mas, a ausência deles mina a proximidade. Uma dica: crie planejamentos de disparos e certifique-se de que eles atendem à frequência adequada de envios.  É um aspecto importante para o engajamento da base.

# 4 – Não fale somente de você

Não seja como Narciso, que “só acha bonito o que é espelho”. As mensagens precisam focar na solução de impasses e não no produto ou serviço que se pretende vender. Resolva os problemas das pessoas. No final das contas, é isso que elas estão interessadas.

# 5 – Links, links, links, e… mais links!

Havendo links na mensagem, maiores serão as chances deles virem a ser… clicados! Os links são a “ponte” entre o cliente e a sua plataforma, seja ela um site, blog, e-commerce ou uma mídia social. Mas, lembre-se: “a diferença entre o veneno e o antídoto é a dose”. Sem exageros, beleza?

# 6 – E-mails diversos significam chances de resultados melhores

Para cada estágio da jornada de compra, crie tipos diferentes de e-mails marketing. Promocionais para falar de ofertas e newsletters para trazer notícias e informações relevantes. Estamos falando de um conteúdo para cada etapa do percurso do cliente. Isso se chama nutrição de Leads.  Cuidado, porém, para não passar da linha. Como dissemos: seja moderado e não esqueça nunca, jamais, em hipótese alguma da pertinência e da relevância da mensagem.

# 7 – Acompanhe as métricas

As métricas são excelentes para identificar oportunidades de adaptação e de ajustes. Problemas nos índices de cliques podem indicar, por exemplo, a necessidade de ajustes na qualidade do conteúdo ou na segmentação da mensagem. Taxas de abertura baixas, por sua vez, podem estar associadas ao horário, assunto ou histórico de envios.

SOBRE O AUTOR

Higor Gonçalves

Higor Gonçalves

Jornalista, pós-graduado em Comunicação Mercadológica e Marketing do Consumo, especializado em Assessoria de Comunicação e com MBA em Gestão Estratégica de Marketing. Atua há mais de uma década nos segmentos de marketing e comunicação e lidera a área de Assessoria de Comunicação da Agência 242.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

Prêmio Comunique-se 2018