JORNALISMO

Um fotojornalista e o poder de “eternizar” cenas

fotojornalista - famecos
(Imagem: Arquivo pessoal)

Como conselho, o fotojornalista diz para os estudantes aproveitarem cada dia na faculdade, a fim de extrair o máximo de conhecimento possível.

Mesmo antes de começar a graduação, Lucas Uebel sempre gostou da área de comunicação. Natural de Novo Hamburgo, Uebel é o atual fotógrafo do Grêmio e correspondente da agência internacional Getty Images em Porto Alegre. Sonhava em ser jogador de futebol, mas a dificuldade em seguir a carreira era grande e decidiu ingressar na graduação.

Na hora de realizar o vestibular, ficou em dúvida entre Educação Física e Jornalismo. Como não gostava de anatomia, optou pela Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS, dada a sua paixão pelo jornalismo que começou na infância. Uebel escutava as jornadas esportivas do rádio junto de seu avô e seu pai. Adorava ler jornais e acompanhar os programas, principalmente relacionados a esportes. A medida que foi crescendo, seu interesse pela área foi aumentando. “Vi ali a melhor maneira para ficar próximo do meio esportivo, que era apaixonado, então foi um caminho natural até o curso”, diz.

A escolha pela Famecos veio através da referência de grandes profissionais formados pela casa, como a maioria dos jornalistas esportivos que o fotógrafo admirava. “Outro fator decisivo, era toda a estrutura que a faculdade oferecia, na época a mais moderna e premiada do estado e do país”, relata.

O comunicador começou sua trajetória no primeiro semestre de 2002. Ao entrar na Famecos, sentiu como se fosse um mundo novo. “Todo aquele clima despojado e cultural da faculdade me animou desde o início”, relembra. O contato com seus colegas, tanto da capital, quanto de outras regiões do estado foi essencial, principalmente para ele que vinha de cidade da região metropolitana. Os estúdios de rádio e TV, além do bar, eram alguns dos lugares preferidos do estudante. “Como morava em Novo Hamburgo e chegava cedo na Famecos, ficava apreciando o famoso Cappuccino“, lembra. O Centro Acadêmico também era frequentado por Uebel, que gostava de jogar sinuca e socializar.

As cadeiras práticas sempre agradaram ao acadêmico, principalmente as disciplinas que envolviam fotografia. A clássica gravação do stand-up, para a cadeira de TV ainda se mantém em sua memória. “O nervosismo de todos segurando o microfone em frente à câmera pela primeira vez, foi uma experiência muito marcante”, salienta. Ainda se lembra de alguns professores com carinho, como os que o auxiliaram em seu TCC Cláudio Mércio, Fabian Chelkanoff e Luis Adolfo, determinantes em sua trajetória. “Me mostraram que aquele era o caminho que eu queria seguir e só aumentou a minha vontade de ser jornalista e a paixão pela profissão”, fala.

A primeira experiência com o fotojornalismo veio através do estágio voluntário no antigo Jornal Hipertexto. Sob a orientação do professor Sempé, o estudante teve a oportunidade de fotografar um jogo de futebol profissional pela primeira vez. “Como resultado, uma das minhas fotos foi utilizada na capa do jornal, o que me deixou muito empolgado”, diz. Uebel também estagiou na TV Guaíba, como produtor e no Jornal NH, como repórter.

Formado em agosto de 2006, o jornalista guarda o dia de sua formatura de maneira especial. “Na hora que chamaram meu nome e fui até os professores buscar meu diploma foi uma sensação indescritível”, relata. A festa de formatura, realizada com todos os colegas, é relembrada por Uebel como uma das melhores comemorações.

Uebel, após a formatura, foi morar um ano na Nova Zelândia. Estudando inglês e trabalhando, comprou sua primeira câmera semiprofissional. Ao voltar, passou a atuar como freelancer na Agência Preview. “Através da Preview, fiz diversos freelas para grandes veículos como Folha de São Paulo, Revistas IstoÉ e Veja, além de acompanhar diariamente treinos e jogos da dupla Grenal desde 2007″, conta. Em 2008, Uebel conciliava seu trabalho na Agência, com o do Jornal O Sul, onde cobria futebol, pautas gerais, de polícia, social e política, além de poder registrar shows e eventos. Em 2010, recebeu convite do Departamento de Comunicação e Marketing do Grêmio, onde permanece até hoje.

O fotojornalista conta que ter tido a oportunidade de cobrir a Copa do Mundo de 2014 foi inesquecível. Trabalhando para a Agência France Press (AFP), fotografou os principais eventos da capital. “Minhas imagens foram publicadas em veículos de diversos países, inclusive em matéria especial do New York Times sobre a Copa em Porto Alegre. Nesse mesmo ano, recebi o Prêmio Press de Repórter Fotográfico do Ano”, relata.

Em 2016, acompanhou os jogos Olímpicos e Paralímpicos pela Getty Images. Uma de suas fotografias foi eleita pelo jornal inglês The Guardian como uma das melhores imagens do ano. “Fiquei muito honrado de ter o fruto do meu trabalho reconhecido por um dos maiores jornais do mundo em uma edição tão seleta”, conta orgulhoso. Fotografar a trajetória do Grêmio na Copa do Brasil do ano passado foi outro momento marcante para ele.

O que mais encanta o fotojornalista em seu trabalho é captação de momentos, principalmente nos esportes, que segundo ele, tendem a proporcionar belas imagens. “A cena fotografada tem o poder de eternizar, de trazer tal acontecido para a posteridade. Quem não viu, pode ver. Quem viveu, pode recordar através delas. Tudo isso é o que me encanta na minha profissão”, diz.

O convívio diário com os amigos é o que mais sente falta da faculdade, apesar de manter contato com a maioria. A Famecos representa momento importante na trajetória de Uebel. “O profissional que eu sou hoje foi totalmente moldado na Famecos graças ao aprendizado compartilhado pelos professores e a troca de experiências com meus colegas”, conta.

Como conselho, o fotojornalista diz para os estudantes aproveitarem cada dia na faculdade, a fim de extrair o máximo de conhecimento possível. “Tudo isso será necessário na construção da carreira e é o que vai ser o diferencial na hora de ingressar no mercado de trabalho”, acrescenta o fotojornalista.

Leia mais…

Comunicadora aconselha estudantes: “sejam humildes e generosos para aprender e ensinar”

A formação e o trabalho da 1ª locutora do estádio do Beira-Rio

“O fato de poder contar histórias é muito enriquecedor”

*Júlia Brasil. Integrante do projeto ‘Correspondente Universitário’ do Portal Comunique-se e estudante de jornalismo na Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Famecos/PUC-RS).

SOBRE O AUTOR

Foto de perfil de Correspondente Universitário

Correspondente Universitário

Projeto desenvolvido pelo Portal Comunique-se voltado à publicação de textos produzidos por estudantes de comunicação.

Participou de algum evento relacionado à comunicação social e deseja colaborar com o formato 'Correspondente Universitário'? Produza seu texto e envie o material para jornalismo@comunique-se.com.br - com o título do projeto no assunto.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

VOTAÇÃO PREMIO COMUNIQUE-SE 2017