COMUNICAÇÃO

A formação e o trabalho da 1ª locutora do estádio do Beira-Rio

Beira-Rio - NataliaMauro
(Imagem: Clarissa Menna Barreto)

Repórter da TV Inter e locutora do Beira-Rio fala sobre a experiência na Famecos

A cada jogo, os torcedores colorados são saudados pela voz espontânea e carismática de Natalia Mauro. Diplomada em jornalismo pela Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS, a famequiana nunca cogitou a possibilidade de trilhar sua carreira em outra profissão, senão a comunicação. “Eu nunca tive dúvidas que queria ser jornalista”, conta.

Quando escolheu o curso, Natalia levou em consideração um desejo identificado quanto tinha apenas nove anos de idade, o de trabalhar na televisão. Tudo começou quando sua mãe foi entrevistada pela apresentadora, Rodaika Dienstbach para um programa da TVCOM. A jovem viu na atuação da comunicadora a possibilidade de atuação em frente às câmeras. Fascinada pelo trabalho, disse para a mãe: “É isso que eu quero”. Desde então, passou a analisar os programas televisivos com um olhar voltado ao fazer jornalístico.

Na época de prestar vestibular, a Famecos sempre foi uma certeza para a acadêmica, que apreciava os estúdios oferecidos pela Instituição. Em março de 2008, quando entrou no colorido hall de entrada do prédio 7, a universitária logo percebeu o ambiente acolhedor e a vivência positiva que cercam a Faculdade. “Sempre me identifiquei e senti que esse era o meu lugar”, recorda.

Vivências do prédio 7

Graduada em 2012, Natalia aponta que o curso de Jornalismo sempre foi completo. “A Famecos proporciona um ambiente repleto de experiências e oportunidades”, afirma. Depois de tempos sem visitar a casa onde esteve durante quatro anos, a jornalista confessa que sente saudades do prédio 7. “Hoje, quando entrei aqui, foi o mesmo que senti quando pisei pela primeira vez na Faculdade, tenho uma ligação e um carinho muito grandes”, conta.

No período do curso, muitas lembranças foram construídas. Uma delas é o clima do SET Universitário e a integração com os outros estudantes. Mas essa não é a sua única recordação. Fábian Chelkanoff, Cristiane Finger – sua orientadora no Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) – e Ivone Cassol são alguns professores dos quais a famequiana se lembra com carinho. Mas, acrescenta que, de uma maneira ou de outra, todos são marcantes.

Para ela, a Famecos simboliza a oportunidade acadêmica de exercer a profissão que sempre sonhou. “Representa minha formação”, afirma. Aos atuais estudantes de jornalismo, ela aconselha que aproveitem cada segundo e absorvam todo o conhecimento dos professores e colegas. “Tudo começa na Faculdade”, afirma.

Atuação profissional

No mercado de trabalho, a porto-alegrense passou a unir a teoria com a prática desde o quarto semestre, em dezembro de 2009. Indicada por um colega, a universitária ingressou na TV Inter, como repórter do canal oficial do Sport Club Internacional, que traz informações sobre o clube, jogos, entrevistas exclusivas com jogadores e dirigentes, além de fatos históricos sobre o time gaúcho.

Em 2012, mesmo após diplomada, a jornalista permaneceu no Internacional. No mesmo ano, o estádio Beira-Rio passou por um processo de modernização visando a Copa do Mundo de 2014. A reconstrução, que durou cerca de dois anos, foi acompanhada pela repórter, que visitava diariamente as obras do Beira-rio e cada vez mais, criou uma ligação com o estádio colorado. O resultado, somado a isso e outros fatores, foi o consenso de escolher uma voz feminina para mediar os jogos do Internacional. O convite, proposto a Natalia, foi de muita alegria para a jornalista. Desde 2014, Natalia tem em suas mãos a responsabilidade de acolher os torcedores. “É uma emoção muito grande ser a primeira mulher a fazer locução no estádio”, conta.

Há oito anos atuando no time gaúcho e quatro sendo a locutora do Beira-Rio, ela garante que estar no Inter é muito gratificante. Colorada desde pequena, Natalia celebra o trabalho desenvolvido e diz ter energia para continuar buscando novos desafios na profissão. “Desejo aprender cada vez mais, ter novas oportunidades, além de crescer sempre”, observa.

*Bianca Gross. Integrante do projeto ‘Correspondente Universitário’ do Portal Comunique-se e estudante de jornalismo na Faculdade de Comunicação Social da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Famecos/PUC-RS).

Leia mais…

“O fato de poder contar histórias é muito enriquecedor”

“O mercado de trabalho é uma selva”, alerta jornalista gaúcha

“A profissão tem um leque gigante”, comenta profissional de RP

SOBRE O AUTOR

Correspondente Universitário

Correspondente Universitário

Projeto desenvolvido pelo Portal Comunique-se voltado à publicação de textos produzidos por estudantes de comunicação.

Participou de algum evento relacionado à comunicação social e deseja colaborar com o formato 'Correspondente Universitário'? Produza seu texto e envie o material para jornalismo@comunique-se.com.br - com o título do projeto no assunto.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

  • SUATV - TV Corporativa, Mural Digital e Digital Signage é SuaTV
  • RIWEB
  • Dino
/* ]]> */

Prêmio Comunique-se 2018