Portal Comunique-se

Glenn Greenwald estreia como colunista da Carta Capital

banner - aniversário - comunique-se (1)

Norte-americano produzirá conteúdos multimídia para a publicação

O jornalista Glenn Greenwald volta a atuar na imprensa brasileira. Natural dos Estados Unidos e residente no Rio de Janeiro há 16 anos, ele passa a colaborar com a Carta Capital. No veículo de comunicação, o profissional produzirá textos para a revista, gravará comentários em vídeo e realizará entrevistas em formato podcast. Os detalhes da parceria foram apresentados na quarta-feira, 17.

Leia mais:

Greenwald foi apresentado ao público da Carta Capital por meio de live que contou com as participações da editora-executiva online da publicação, Thais Reis Oliveira, e do idealizador e diretor de redação da marca jornalística, Mino Carta. Na revista, a estreia do colunista se dará na edição que estará nas bancas no próximo fim de semana.

Ao site da própria revista, o jornalista fez questão de elogiar o seu mais novo empregador no país. “Quando vim morar no Brasil uma das primeiras revistas de política que li foi a Carta Capital”, comentou. “Sempre honesta nos seus pontos de vista, com reportagens e análises complexas, profundas, informativas. Com Carta Capital, eu aprendi muito sobre as complexidades da político do Brasil”, prosseguiu o analista, que é marido do deputado federal David Miranda (Psol-RJ).

Trajetória

Novo reforço da Carta Capital, Glenn Greenwald ganhou projeção mundial quando ajudou a revelar, para o jornal britânico The Guardian, a história de Edward Snowden, ex-agente da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos. Foi reconhecido com o prêmio Pulitzer. No Brasil, criou a versão nacional do site The Intercept, de onde se desvinculou em outubro do ano passado.

A saída dele do projeto The Intercept, que a partir de mensagens roubadas criou a autointitulada série de reportagens chamada de “Vaza Jato”, foi marcada por polêmicas e troca de acusações. Greenwald acusou a direção do site nos Estados Unidos de censura, pois teriam rejeitado a publicação de um texto crítico a Joe Biden, então candidato do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos.

Contudo, as acusações foram rechaçadas pelo comando do site The Intercept em solo norte-americano. Em nota, a equipe não poupou o então colega de críticas, como, por exemplo, definindo-o como alguém que teria se desviado de “suas raízes jornalísticas”. “Pessoa adulta fazendo birra” foi outra definição para se referir a Greenwald.

“Narrativa repleta de distorções e imprecisões”

“A narrativa que Glenn apresenta sobre sua saída está repleta de distorções e imprecisões — todas destinadas a fazê-lo parecer uma vítima, em vez de uma pessoa adulta fazendo birra. Levaria muito tempo para apontá-los todos aqui, mas pretendemos corrigir o registro a tempo”, posicionou-se o grupo responsável pelo The Intercept nos Estados Unidos. Na ocasião, ninguém do projeto no Brasil se posicionou a respeito.

Compartilhe
0
0

Anderson Scardoelli

Jornalista, 31 anos. Natural de São Caetano do Sul (SP) e criado em Sapopemba, distrito da zona lesta da capital paulista. Formado em jornalismo pela Universidade Nove de Julho (Uninove) e com especialização em jornalismo digital pela ESPM. Trabalhou de forma ininterrupta no Grupo Comunique-se durante 11 anos, período em que foi de estagiário de pesquisa a editor sênior. Em maio de 2020, deixou a empresa para ser repórter do site da Revista Oeste. Após dez meses fora, voltou ao Comunique-se como editor-chefe, cargo que ocupa atualmente.

banner-portal-cse-semana-do-cliente-dino (1)

Papo de Redação

Prêmio Comunique-se

Patrocinadores Ouro

Patrocinadores Ouro



Patrocinadores Prata

Patrocinadores Prata



Patrocinadores Bronze

Patrocinadores Prata