COMUNICAÇÃO

Google se une a veículos de comunicação em novo programa de licenciamento de conteúdos

google

Estado de Minas, A Gazeta, Correio Braziliense e UOL são os primeiros veículos de comunicação brasileiros a integrarem a parceria com o novo programa de licenciamento do Google em apoio ao jornalismo. Lançado em junho, o produto já conta com parceiros do Brasil e da Alemanha, que terão acesso antecipado, a fim de testar os recursos antes do lançamento completo.

De acordo com o blog do Google, o objetivo do projeto é auxiliar a produção de conteúdos que permitam “mais contexto e perspectiva jornalística sobre as notícias”, além de evidenciar jornais menores. Por isso, a empresa está buscando parcerias com veículos que representam diferentes segmentos e alcance, desde jornais locais a internacionais.

Leia mais:

Novo e-book gratuito apresenta técnicas para comunicação funcional 720 graus
181 anos da fotografia: Como ela influencia a sociedade?

Até o momento, as parcerias foram fechadas com os veículos: ZEIT ONLINE, Der Spiegel, Tagesspiegel, Frankfurter Allgemeine Zeitung, Ippen Media Group e Rheinische Post na Alemanha e Estado de Minas, A Gazeta, Correio Braziliense e UOL no Brasil. Como objetivo do projeto, além dos dois países, jornais da Austrália também devem ser incorporados à lista de parceiros.

Como irá funcionar?

Segundo anúncio da empresa, o projeto irá auxiliar, em especial, o alcance de reportagens complexas e com narrativas ricas sobre temas importantes para a sociedade. Para isso, estão sendo discutidas formas de ajudar a aumentar o público dos veículos de notícias que trabalham com acesso pago, na qual o Google pagaria para que os leitores tenham acesso gratuito a artigos nos sites.

Para isso, os veículos listados entre as parcerias antecipadas estão testando ferramentas ligadas aos editores, avaliando as integrações técnicas e garantindo que diferentes modelos tenham novas possibilidades de levar histórias aos leitores.

Outras formas de apoio do Google ao jornalismo

Nos últimos meses, devido à pandemia da Covid-19, outras estratégias de apoio à produção de jornalismo foram criadas pelo Google. No total, a Google News Initiative (ferramenta da empresa para auxílio ao jornalismo na era digital) deu apoio financeiro a mais de 5.300 publicações locais em todo o mundo. Os fundos utilizados foram provenientes de três estratégias lançadas anteriormente:

Fundo de Auxílio Emergencial ao Jornalismo: criado em abril, o programa teve como objetivo permitir que jornais locais continuassem produzindo conteúdos durante a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. As inscrições para recebimento do auxílio foram online e abertas a jornais de todo o mundo que trabalham com produções de conteúdo regionais.

Dispensa de tarifas no Google Ad Manager: em abril, o Google anunciou que iria isentar o pagamento das faturas da plataforma de publicidade Ad Manager para empresas jornalísticas, globalmente, por um período de até cinco meses. Os veículos que atendiam aos requisitos estabelecidos pela empresa foram notificados do benefício.

Campanha de U$ 15 milhões para apoiar o jornalismo local: a campanha ajudou mais de 5 mil veículos nos Estados Unidos e no Canadá. Motivados pela queda de publicidade nos veículos de imprensa e maior necessidade de informação à população, a medida teve como objetivo garantir o trabalho de jornais de cobertura regional.

Contraponto

Apesar das medidas de apoio ao jornalismo e de combate às fake news, os veículos propagadores de notícias falsas também utilizam os recursos da empresa. Uma pesquisa publicada este mês, pela Universidade de Oxford, aponta que a maioria desses sites é financiada pela plataforma de anúncios Google Ads.

De acordo com o estudo, em geral, os sites de fake news utilizam estratégias de SEO com maior frequência e, com isso, alcançam boas colocações nos resultados de pesquisa do Google. Além disso, 61% utilizam o Google Ads para gerar receita.