Portal Comunique-se

Jornalistas são apedrejados no Recife

Jornalistas são apedrejados no Recife
Público xingou as equipes de reportagem e arremessou pedras, plantas e água. (Imagem: reprodução/ JC)

Os profissionais cobriam a saída da seleção brasileira de um hotel

Compartilhe
banner - aniversário - comunique-se (1)

Na noite da última quinta-feira, 9, ao menos cinco profissionais de imprensa foram atacados enquanto cobriam a saída da seleção brasileira de um hotel localizado no bairro de Boa Viagem, na zona sul do Recife (PE). Torcedores que também aguardavam os atletas lançaram pedras, plantas e água e proferiram xingamentos contra equipes de reportagem que, segundo eles, obstruíam a visão que teriam dos jogadores.

Leia mais:

Por volta das 16h30, a equipe de reportagem do Globo Esporte do Recife chegou ao local para fazer a cobertura. Em entrevista à Abraji, a produtora Sarah Porto afirmou que as hostilidades começaram quando a entrada do hotel em que a seleção se hospedou se encontrava relativamente vazia. Segundo a jornalista, mais de uma vez, sua equipe teve que fazer entradas ao vivo em meio a gritos como “Globo lixo”.

Os atletas estavam no Recife para disputar a partida contra o Peru pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022. Conforme os jogadores começaram a sair do hotel, a partir das 19h, a situação se agravou. De acordo com a jornalista, torcedores chegaram a gritar “sai da frente, puta”, antes de darem início aos arremessos.

Além do cinegrafista e da produtora do Globo Esporte, segundo apuração da Abraji, foram alvo dos arremessos um cinegrafista da TV Jornal, afiliada do SBT no Estado, e uma equipe do jornal Folha de Pernambuco, formada por um fotógrafo e pelo repórter esportivo William Tavares.

O repórter da Folha de Pernambuco contou que as equipes dividiam um espaço apertado reservado para a imprensa e que precisaram se posicionar em frente à torcida para registrar a saída dos jogadores. Foi quando passaram a ser atingidos por pedras, plantas e água.

As pessoas não conseguem entender que estamos exercendo a nossa profissão.

Sarah Porto

Um segurança do hotel já estava segurando a grade de proteção devido ao tumulto e à aglomeração. Os ataques cessaram somente quando uma das vítimas acionou policiais que deixaram uma área mais próxima ao hotel para controlar a situação, formando uma espécie de barreira.

Sarah Porto disse ter ficado atônita com o ocorrido, inclusive com os comentários misóginos que recebeu. “Ninguém está em um escritório e chama alguém de gostosa. As pessoas não conseguem entender que estamos exercendo a nossa profissão”.

Em seu perfil no Twitter, Porto fez uma reflexão: “Imagine um dentista, um médico, um frentista, um gari, qualquer trabalhador que esteja exercendo o seu ofício ser APEDREJADO porque está na frente de um cidadão que quer ver algo que está depois da pessoa”.

A Abraji registrou 242 casos de ataques a jornalistas no país entre janeiro de 2021 e agosto de 2021 – um aumento de 23,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

*Matéria originalmente publicada no site da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji)

Compartilhe
0
0

Abraji

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Criada em 2002 por um grupo de jornalistas brasileiros interessados em trocar experiências, informações e dicas sobre reportagem, principalmente sobre reportagens investigativas. É mantida pelos próprios jornalistas e não tem fins lucrativos.

banner-portal-cse-semana-do-cliente-dino (1)

Papo de Redação

Prêmio Comunique-se

Patrocinadores Ouro

Patrocinadores Ouro



Patrocinadores Prata

Patrocinadores Prata



Patrocinadores Bronze

Patrocinadores Prata