COMUNICAÇÃO

MPF ameaça à liberdade de imprensa, diz Rodrigo Maia

rodrigo maia - liberdade de imprensa - glenn greenwald - mpf
Rodrigo Maia: "Sem jornalismo livre não há democracia". (Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados)

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia se posiciona contra decisão do Ministério Público Federal

Jornalista Glenn Greenwald foi denunciado na operação do MPF que investiga invasões de celulares de autoridades

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou a denúncia feita pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o jornalista do site The Intercept, Glenn Greenwald.

Leia mais:

“A denúncia contra o jornalista é uma ameaça à liberdade de imprensa”, publicou o presidente da Câmara dos Deputados em seu perfil no Twitter. “Jornalismo não é crime. Sem jornalismo livre não há democracia”, acrescentou Rodrigo Maia.

Denúncia

Glenn Greenwald foi denunciado na operação do MPF que investiga invasões de celulares de autoridades. Em 2019, ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, concedeu liminar determinando que o jornalista não fosse investigado.

De acordo com a denúncia, o comunicador norte-americano é acusado de crime de associação criminosa e de interceptação telefônica, informática ou telemática, sem autorização judicial ou com objetivos não autorizados em lei.

As investigações da Polícia Federal levaram à prisão de Walter Delgatti, que hackeou celulares de diversas autoridades. Delgatti afirmou que repassou o conteúdo das conversas diretamente para Glenn Greenwald.

Em junho do ano passado, o site The Intercept Brasil divulgou mensagens trocadas entre o hoje ministro da Justiça, Sergio Moro, e procuradores, levantando suspeitas sobre a imparcialidade do então juiz em relação à Operação Lava Jato.

***** ***** ***** ***** *****

Reportagem: Luiz Gustavo Xavier
Edição: Marcia Becker

SOBRE O AUTOR

Agência Câmara

Agência de notícias criada e mantida pela Câmara dos Deputados desde 1997. Tem como missão manter acesso às informações do Poder Legislativo e promover a participação popular no processo democrático.

COMENTAR

COMENTAR