OPINIÃO

No nosso pescoço – artigo de Marli Gonçalves

pescoço - artigo
(Imagem: Pixabay)

Andamos todos com a corda no pescoço, mas tentando mantê-lo erguido, altivo.

Tomba pra a esquerda, tomba para a direita, a gente distende e volta. É uma dorzinha chata bem aqui atrás, sabe? Ela irradia para os ombros. As costas, aqui em cima, ficam duras. Parece pedra. Que delícia seria se alguém pudesse chegar e dar aquela massageada com a ponta dos dedos, não? Aquela que chega até a arrepiar quando a gente consegue amolecer. Você já sentiu isso, creio.

Nosso pescoço. Nossa, como o nosso pescoço é protagonista em nosso corpo. De todos os lados que se puder observar. A nuca. O colo. Cabeça, tronco, membros. Adivinhem quem liga a cabeça ao tronco: o pescoço. Ele é nossa força e o nosso ponto fraco. Ele é todo especial, em músculos e ossos.

Ele é a base do nosso periscópio. Se volta pra lá e pra cá levando a cabeça para entender tantas coisas que andamos vendo que acho que é por isso que ele sempre acaba levando a pior. Por ele passam todos os sentidos. E o sensual, que é ponto erótico.

Engolimos seco. Na última semana, o pescoço de uma moça foi o protagonista de uma história cujos detalhes e (sub)desenvolvimento dos fatos nas horas seguintes causou uma das maiores indignações já observadas nas redes sociais, que se mobilizou e demonstrou a perplexidade diante do desfecho. Ufa! Pensávamos que estávamos todos apopléticos e esse pescoço nos salvou, pelo menos nos acordou, especialmente nós, mulheres. Viva os pescoços!

O caso, para relembrar em poucas linhas, se deu na Avenida Paulista, de dia, dentro de um ônibus. Um homem se masturba e ejacula (sim, isso mesmo) no pescoço de uma moça, que consegue reagir e, com a solidariedade de todos, prender o indigitado, que então é levado para uma delegacia e em seguida para uma audiência de custódia. Passa a noite na prisão. No dia seguinte é libertado como se nada tivesse acontecido. (Dois dias depois é preso de novo, fazendo a mesma coisa. Diz que um acidente de carro o deixou assim. Já pensou? Acidentes de carro criando tarados!).

O jovem juiz José Eugênio Souza Neto mandou soltar Diego Ferreira de Novais, o ejaculador, 27 anos. Segundo ele, porque o promotor Marcio Takeshi Nakada, do Ministério Público, não havia pedido a preventiva. Pronto, dado todos os nomes dos bois. Ops, homens envolvidos.

A sentença foi um primor: “Entendo que não houve constrangimento, tampouco violência ou grave ameaça, pois a vítima estava sentada em um banco de ônibus, quando foi surpreendida pela ejaculação do indiciado”, diz a decisão.

A lei é assim? Assim pra quem? Por que a Justiça não se esforça para abranger um tarado com 17 passagens pela polícia por estupro, assédio, intimidação?

Adianta muito ficar falando em feminicídio, Lei Maria da Penha, que estamos conseguindo avançar, quando a cada dia a situação piora? Não há estrutura, não há cultura, não há leis sérias, não há proteção.

Andamos todos com a corda no pescoço, mas tentando mantê-lo erguido, altivo. Mas tem hora em que a garganta quer se expressar. Essa foi uma delas. A moça deve ter ficado bem decepcionada com a Justiça, mas certamente feliz com a enorme repercussão que o caso teve. Todas nós, mulheres, mal ou bem também pudemos ficar orgulhosas, porque reprovamos a decisão usando nossos pescoços para dizer não, girando a cabeça negativamente.

Comprovando mais rápido até do que esperávamos que tínhamos razão, que o tarado teria de ter ficado trancado, bem enjaulado.

O assédio, esses abusos, tem de terminar. Os homens vão ter de aprender na marra que é preciso esperar o sim para se aproximar do corpo de uma mulher e do seu sagrado pescoço.

SOBRE O AUTOR

Marli Gonçalves

Jornalista formada pela FAAP, em 1979. Diretora da Brickmann&Associados Comunicação, B&A. Tem 40 anos de atuação na profissão, com passagens por vários veículos, entre eles Jornal da Tarde, Rádio Eldorado e revista Veja. Na B&A, além de assessoria de imprensa e consultoria de comunicação, especializou-se em gerenciamento de crises, ao lado de Carlos Brickmann, com quem trabalha desde 1996. Também é editora do Chumbo Gordo, site de informações da B&A. Mantém, ainda, o blog particular Marli Gonçalves (http://marligo.wordpress.com). Desde 2008, escreve semanalmente artigos e crônicas para inúmeros jornais e sites de todo o país sobre comportamento, feminismo, liberdade e imprensa.
Entre suas atividades na área de consultoria, comunicação empresarial e relações públicas foi de 1994 a 1996 gerente de imprensa da multinacional AAB, Hill and Knowlton do Brasil (Grupo Standard, Ogilvy & Mather).
Participou de várias publicações e veículos, entre eles, Singular & Plural, Revista Especial, Gallery Around (com Antonio Bivar), Jornal da Feira, Novidades Fotóptica, A-Z, Vogue. Na área política, foi assessora de Almino Affonso, quando vice-governador de São Paulo, e trabalhou em várias campanhas, entre elas, de Fernando Gabeira e Roberto Tripoli.

COMENTAR

COMENTAR

Notícias Corporativas

  • SUATV - TV Corporativa, Mural Digital e Digital Signage é SuaTV
  • RIWEB
  • Dino
/* ]]> */