OPINIÃO

O golpe está no ar – por Heródoto Barbeiro

O golpe está no ar - por Heródoto Barbeiro
Imagem: iStock

Em seu novo artigo no Portal Comunique-se, Heródoto Barbeiro comenta sobre a possibilidade de golpe de Estado

O presidente articula um golpe de Estado. Todos sabem de seu posicionamento ideológico, radicalmente contrário à esquerda. Incentiva uma campanha que há o risco do Brasil se tornar uma ditadura socialista como as que são implantadas na Rússia e seus satélites. Ele acusa o processo eleitoral de ser viciado e de sofrer uma possível fraude a favor do candidato apoiado pelas esquerdas.

O sistema está desgastado, diz ele. Em nome da preservação das instituições tradicionais, da família e do cristianismo movimenta as forças que o apoiam. O presidente é acusado de tentar impedir a realização das eleições gerais do próximo ano, quando expira o seu mandato, de acordo com a constituição brasileira em vigor.

Há uma radicalização política no país. Os grupos políticos se juntam na esquerda e na direita. Há exemplos de sobra no mundo, principalmente na Europa, de governos de orientação socialista e fascista. O confronto é, acima de tudo, ideológico, ainda que boa parte da população brasileira não tenha ideia o que isto significa. O centro político, praticamente, desaparece.

Leia mais:

Com o fim do domínio dos maiores estados, São Paulo e Minas Gerais, o campo moderado não tem um candidato com musculatura eleitoral para enfrentar a eleição do ano que vem, quando o atual presidente deve se candidatar a mais um quadriênio. Em ano pré- eleitoral, o governo deveria estar cuidando de arrancar o país da crise econômica, ainda reflexo do desarranjo financeiro do planeta, e não se envolver no processo eleitoral antecipado.

Advertisement

O debate está cada vez mais radicalizado, tanto no Congresso Nacional como na imprensa de uma forma geral. Há os que alimentam o medo da população sobre a instalação de um regime ateu e os proprietários de terras de perderem suas propriedades com uma reforma agrária sem indenização. Os grupos políticos de esquerda aparelham as fábricas e as organizações ligadas aos trabalhadores.

“O governo deveria estar cuidando de arrancar o país da crise econômica, ainda reflexo do desarranjo financeiro do planeta, e não se envolver no processo eleitoral antecipado”

O presidente constitucional Getúlio Vargas deixa claro que não vai descer do poder em nome da defesa dos ideais nacionalistas e tradicionais. Divulga insistentemente que abafou um levante comunista no nordeste e rechaçou um ataque dos integralistas ao palácio presidencial no Rio de Janeiro. O cenário está montado. Ou ele ou o comunismo.

Os jornais publicam o falso Plano Cohen, um passo a passo de como os comunistas tomariam o poder. É o que vai se chamar no futuro de fake news. Com o apoio dos liberais, militares e integralistas, Vargas anula a constituição, manda prender a oposição, enfraquece o Congresso, acaba com os partidos políticos e implanta, em 1937, a ditadura do Estado Novo.

Advertisement

SOBRE O AUTOR

Heródoto Barbeiro

Apresentador e editor-chefe do ‘Jornal da Record News’. Já foi professor de história, carreira que seguiu por quase 20 anos. Na imprensa, passou por CBN, Rádio Globo, Jovem Pan, TV Cultura, TV Gazeta e Diário de S. Paulo. Edita o Blog do Barbeiro – Barba, Bigode e Cabelo, hospedado pelo R7.

COMENTAR

COMENTAR

Prêmio Comunique-se

2021

A segunda etapa de votação está aberta!