OPINIÃO

Os jingles são a alma do negócio

jingles - marina machado - palavras cruzadas - livro
Marina Machado se diverte com o livro de Fábio Barbosa (Imagem: Claudinei Matosão)

Livro sobre a relação de jingles com o mundo dos negócios é o tema da vez do ‘Palavras Cruzadas’. Articulista-parceira do Portal Comunique-se, Marina Machado adianta: a obra é divertida e traz curiosidades

Os jingles tocam, a música pega, a gente compra o produto anunciado e acabamos marcados por toda a vida. A dica de livro desta vez do ‘Palavras Cruzadas’ é Jingle é a alma do Negócio. A obra é de autoria de Fábio Barbosa Dias, sendo publicado pela editora Panda Books.

(Muito obrigada pelo livro, Marcelo Duarte!)

A publicação sobre jingles é super divertido, interativo, cheio de memórias gostosas e curiosidades.

Assista ao vídeo do ‘Palavras Cruzadas’:

“Pipoca na panela começa a arrebentar…”

“Café Seleto tem….”

“O importante é chegar bem!”

Prepare os seus ouvidos porque o ‘Palavras Cruzadas’ da vez fala de quando o jingle vira chiclete e… A gente acaba comprando o produto!

No vídeo, falo de Jingle é a alma do negócio, do Fábio Barbosa Dias; editora Panda Books.

Dê um like! Inscreva-se no canal e entre para o meu grupo de “Corujas do Palavras Cruzadas”.

Imagens: Claudinei Matosão
Edição: eu mesma – Marina Machado

Mais Marina Machado

SOBRE O AUTOR

Marina Machado

Marina Machado

Jornalista, mãe, esposa, cozinheira amadora, violoncelista que não sai da estaca zero e leitora apaixonada. Adora viajar pelo mundo e se aventurar em cachoeiras e trilhas. Também adora cinema, séries de televisão, paraquedismo, vinhos, e, apesar de não ser médica, tem muita paixão pela área da saúde. Trabalha com televisão desde 1998, tendo iniciada a carreira na TV Bandeirantes e somando passagens por Record TV e TV Globo ('Auto Esporte'). É, desde 2008, repórter do 'Jornal da Band' e apresentadora eventual dos noticiários da emissora. Já cobriu eventos internacionais, eleições, acontecimentos históricos e conheceu um número incontável de pessoas que jamais teria contato não fosse a minha nobre profissão como repórter.