Portal Comunique-se

Sem pluralismo na imprensa, não há democracia

democracia - pluralismo - imprensa
(Imagem: Canva)

“Como observador participante, o resultado da investigação não me surpreendeu”

Compartilhe
clipping-curadoria-2

Um minucioso estudo de caso concreto sobre o grau de pluralismo nos espaços de opinião dos jornais O Globo, Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo revelou que não há pluralismo na grande imprensa. O estudo delimitou-se aos veículos tradicionais por exercerem um vigoroso e extenso jornalismo opinativo que ocupa espaço de destaque em sua superfície gráfica. Mais: são jornais com grande poder de interferência na agenda política.

Leia mais:

Como observador participante, o resultado da investigação não me surpreendeu. Mas a partir de critérios sistemáticos e objetivos, as inegáveis conclusões nos provocam reflexões sobre quão danosa pode ser para a jovem democracia brasileira e, em última instância, para a qualidade de vida do cidadão a censura às vozes dissonantes nos meios de comunicação de massa.

Para esse estudo, foram exaustiva e cuidadosamente analisadas 196 unidades de conteúdo opinativo, em todos os seus formatos (editorial, artigo e coluna), sobre a reforma da Previdência. Dessa amostra, apenas 5,6% dos atores sociais que puderam se expressar se posicionaram criticamente contra o projeto do governo.

Entre os atores políticos ativos e envolvidos diretamente na reforma previdenciária, tais como sindicatos e organizações da sociedade civil, foram praticamente silenciados.

Apenas 11 unidades de análises dos conteúdos examinados posicionaram-se contra a reforma, dos quais apenas dois eram de entidades da sociedade civil. Nenhum deles representava o funcionalismo público, embora tenha sido a categoria mais fortemente atacada e demonizada nos conteúdos opinativos.

Os atores políticos foram separados por segmentos sociais, profissionais ou atividade econômica: o jornal, os grupos de interesse econômico (empresários e dirigentes de entidades associativas empresariais e financeiras), as gestoras financeiras (consultores de empresa e de fundos de investimento), os institutos de estudo (economistas de universidades e think tanks), as autoridades políticas (políticos e autoridades do governo), os sindicatos (dirigentes sindicais do funcionalismo público e de trabalhadores da iniciativa privada), os jornalistas e outros.

Os resultados revelam uma carência de diversidade identitária no debate de ideias

Luís Humberto Carrijo

O assunto da reforma da previdência mereceu ser investigado devido à relevância social e econômica que a aprovação da reforma representou, e por ter ocupado a centralidade da agenda midiática por nove meses, envolvendo poderosos atores sociais. Os resultados revelam uma carência de diversidade identitária no debate de ideias sobre a reforma da previdência na grande imprensa, o que aponta para um déficit não só de pluralismo de opinião como de representatividade social. Da mesma forma, foi verificada uma convergência de opinião entre os editoriais e a visão de mundo dos grupos de interesse econômico, o que valida a premissa de que as posições ideológicas entre esses dois atores políticos são totalmente coincidentes.

Ficou claro que uma das múltiplas causas para o desequilíbrio comunicativo é a elevada concentração de propriedade da mídia e de audiência no Brasil, além da desregulação do setor, ausência de normas que desobriga a indústria da notícia de cumprir compromissos com o interesse público e certos princípios normativos da profissão, como ouvir o contraditório, apurar e cruzar informações e conceder espaço para as distintas identidades da sociedade brasileira.

A partir da investigação, confirmou-se que a mídia mainstream está orientada a atender aos interesses dos poderes fáticos. A opinião dos jornais assumiu protagonismo na batalha discursiva, com a produção elevada de editoriais pró-reforma.

As colunas, atualmente colonizadas por economistas vinculados ao mercado financeiro, serviram de apoio à narrativa dos editoriais, interditando qualquer possibilidade a alternativas para o sistema previdenciário. Os articulistas, quase todos ligados a consultorias de gestão financeira, que assessoram grandes corporações empresariais e a fortuna dos super-ricos, reproduziram o discurso dos grupos de interesse a partir de um ponto de vista aparentemente técnico e crítico sob o rótulo de “especialista”, neutralizando qualquer ilação sobre possíveis conflitos de interesse em suas análises.

Novos estudos de caso concretos sobre o pluralismo na imprensa de difusão nacional são, ainda, necessários

Luís Humberto Carrijo

Por meio do exame da amostra, concluiu-se que os atores políticos dominantes compartem a mesma orientação ideológica liberal e em torno desses valores produziram um “tsunami” de conteúdo convergente a favor da reforma, gerando uma “falsa” percepção de consenso sobre a questão e de que o debate público fora “rico e democrático”.

A hegemonia discursiva da agenda midiática não levou em conta outros aspectos importantes que poderiam questionar a reforma da previdência. Foi totalmente ignorado o resultado de uma investigação parlamentar, que concluíra que o sistema previdenciário não era deficitário e que, portanto, sua reforma era tecnicamente injustificável. As acusações de falsificação dos dados utilizados para fundamentar o projeto do governo, assim como os efeitos colaterais da reforma sobre o bem-estar da população mais pobre do país, também foram desprezados no debate midiático.

Novos estudos de caso concretos sobre o pluralismo na imprensa de difusão nacional são, ainda, necessários para investigar melhor a práxis da grande imprensa. Se ela é adequada para as aspirações democráticas do país. Se essa hegemonia midiática favorece a produção de um discurso homogêneo e tendencioso. Se suas orientações ideológicas interferem na cobertura jornalística, violam os princípios deontológicos do jornalismo e distorcem o debate público.

São investigações que podem recolocar no centro dos debates público e político a necessidade de se buscar novo consenso em torno do direito à comunicação. Como sugere Denis McQuail, é preciso que a sociedade crie condições para que a mídia proporcione acesso mais ou menos igualitário às vozes das diversas minorias sociais e culturais que compõem a sociedade, porque sem pluralismo na imprensa, não há democracia.

_______________

Por Luís Humberto Carrijo, jornalista, especialista em comunicação organizacional e mestre em comunicação & cultura. Texto publicado originalmente no site Poder360 e liberado pelo autor para reprodução no Portal Comunique-se.

Compartilhe
0
0

Leitor-Articulista

Espaço aberto para a veiculação de artigos produzidos pelos usuários do Portal Comunique-se. Para ter seu conteúdo avaliado pela redação, com possibilidade de ser publicado na seção 'Opinião', envie e-mail para jornalismo@comunique-se.com.br, com “Leitor-articulista” no assunto.

Megalive do Prêmio Comunique-se 2021

Prêmio Comunique-se

Patrocinadores Ouro

Patrocinadores Ouro



Patrocinadores Prata

Patrocinadores Prata



Patrocinadores Bronze

Patrocinadores Prata