COMUNICAÇÃO

Sindicato divulga canal para denúncias de assédios moral e sexual no jornalismo

sindicato Denuncie assedio

Os casos serão recebidos pela diretoria do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo e permanecerão em sigilo pelo time de apuração

Uma semana após a divulgação de dois levantamentos sobre assédio e violência de gênero no jornalismo, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo divulgou canais para denúncias. A entidade afirma que vai ajudar a combater as agressões e garante atendimento exclusivo e sigiloso para os casos.

A entidade informa que as denúncias enviadas serão recebidas pela diretoria e todas passarão por apuração, assim como acompanhamento jurídico, de modo que possam definir como cada caso sera conduzido. Para o Sindicato, caracteriza-se assédio sexual não apenas quando a abordagem se dá por superior, mas também por colegas de trabalho do mesmo nível hierárquico ou por fontes jornalísticas, ainda que este entendimento não seja garantido no Judiciário.

A iniciativa faz parte de ações que o sindicato tem promovido para combater e enfrentar os assédios que sofrem os jornalistas no exercício da profissão. Além dos canais de denúncia, está prevista a elaboração e a distribuição de cartilha especial esclarecendo o que é assédio moral e sexual, as penas previstas e direitos do trabalhador e da trabalhadora.

As denúncias de assédio podem ser feitas pelo celular/Whatsapp: (11) 99300-1382 e e-mail denuncieoassedio@sjsp.org.br.

Veja os dados dos levantamentos da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ):

O levantamento foi realizado na véspera do Dia mundial de Combate à Violência contra Mulheres, lembrado em 25 de novembro. Os dados mostram que as formas mais comuns de violência de gênero sofrida pelas jornalistas são: abuso verbal (63%), abuso psicológico (41%), assédio sexual (37%), exploração econômica (21%) e violência física (11%). Os atacantes são na maioria de fora do local de trabalho (45%) – como fontes, políticos, leitores e ouvintes-, chefes ou superiores (38%) ou anônimos (39%). Apenas 26% dos locais de trabalho têm uma política que abrange violência de gênero e assédio sexual. Além disso, a enquete mostra que 66% das respondentes não apresentam denúncia formal sobre os casos de violência. Das que denunciam, 84,8% não consideram que foram tomadas medidas adequadas em todos os casos contra os infratores. Outras 12,3% ficaram satisfeitas com o resultado final dos casos.

Veja os dados dos levantamentos da Abraji e do site Gênero e Número:

De acordo com os dados, 86% das entrevistadas afirmaram já ter passado por pelo menos uma situação de discriminação de gênero no trabalho, 70% tiveram conhecimento do assédio a uma colega, 83% relataram já ter sofrido violência psicológica, 73% já escutaram comentários de natureza sexual, 92% ouviram piadas machistas, 70% já receberam cantadas no exercício da profissão, 75% já ouviram comentários desconfortáveis sobre suas roupas ou aparência, 32% foram tocadas sem consentimento e 17% alegam que foram agredidas fisicamente. Além disso, 46% das empresas não possuem canais para receber e responder as denúncias de assédio e discriminação de gênero.

Leia mais

SOBRE O AUTOR

Redação Comunique-se

Redação Comunique-se

Equipe responsável pela produção de conteúdo do Portal Comunique-se. Atualmente, a redação é composta pelo editor Anderson Scardoelli, a repórter Nathália Carvalho e a trainee Tácila Rubbo.

1 COMENTÁRIO

COMENTAR

Notícias Corporativas

  • SUATV - TV Corporativa, Mural Digital e Digital Signage é SuaTV
  • RIWEB
  • Dino
/* ]]> */