OPINIÃO

Você cuida dos seus recursos? – por Lygia Pontes

artigo - lygia pontes
(Imagem: Canva.com)

“Quando minha voz começou a voltar, passei a escolher melhor os momentos em que falaria algo”. Lygia Pontes relata o que fez quando encarou um resfriado

Leia, abaixo, o artigo de Lygia Pontes

Há algum tempo, peguei um resfriado e perdi a voz. Foi praticamente uma semana sem falar. Foram dias complicados, porque adoro uma boa conversa e porque precisei desmarcar diversos compromissos, inclusive reuniões com clientes. Ao mesmo tempo, foi um período de muitas reflexões. Uma delas foi sobre a forma como usamos os nossos recursos – na verdade, sobre como eles são desperdiçados, principalmente o tempo.

Leia mais:

Foi por isso que, quando minha voz começou a voltar, passei a escolher melhor os momentos em que falaria algo – um pouco porque ela ainda não estava 100%, mas também porque eu me perguntava “eu preciso mesmo falar isso?”. E por ficar mais em silêncio, consegui observar e ouvir melhor os outros ao meu redor – e como as pessoas desperdiçam esse recurso! Um ótimo exemplo para mim foi ouvir alguns áudios no WhatsApp sendo gravados. A grande maioria deles poderia ter apenas poucos segundos, mas se estendiam por longos minutos, com pontos sendo repetidos diversas vezes. É muito desperdício de voz!

“Eu preciso mesmo falar isso?”. Foi o que Lygia Pontes chegou a pensar

Esse exemplo das mensagens de voz me fez pensar sobre outro recurso que também desperdiçamos: o tempo. Quando falamos o que não precisamos, usamos mais tempo do que o necessário e, neste caso, quem se prejudica é quem grava o áudio e quem o recebe, ou seja, ninguém sai ganhando nessa situação.

Parece exagero pensar assim, afinal, é só uma mensagem. Mas se somarmos o tempo que desperdiçamos com essas “bobagens” ao longo de um dia, vamos ver que as horas simplesmente desaparecem, exatamente como a minha voz. Por isso, antes de agendar um compromisso, enviar uma mensagem ou dizer algo, pergunte-se: “eu preciso mesmo fazer isso?” É uma atitude simples, mas que no final de um dia, vai trazer uma satisfação enorme, afinal, você terá feito o que precisa e ainda terá energia, voz e tempo.

“Os que empregam mal seu tempo são os primeiros a se queixar de sua brevidade” Jean de la Bruyère.

***** ***** ***** ***** *****

Por Lygia Pontes.

SOBRE O AUTOR

Leitor-Articulista

Espaço aberto para a veiculação de artigos produzidos pelos usuários do Portal Comunique-se. Para ter seu conteúdo avaliado pela redação, com possibilidade de ser publicado na seção 'Opinião', envie e-mail para jornalismo@comunique-se.com.br, com “Leitor-articulista” no assunto.

COMENTAR

COMENTAR