COMUNICAÇÃO

Mark Zuckerberg admite falha na proteção de dados de usuários

mark zuckerberg - eua - congresso - facebook
O presidente e fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, depõe em audiência conjunta das comissões de Comércio e de Justiça do Senado dos Estados Unidos (Imagem: EFE/Shawn Thew/Direitos Reservados)

Mark Zuckerberg foi sabatinado por senadores dos Estados Unidos. Temas polêmicos envolvendo o Facebook foram discutidos pelos congressistas

O presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, classificou a incapacidade da empresa de prevenir episódios como a atuação da empresa Cambridge Analytica e a interferência russa nas eleições dos Estados Unidos de 2016 como “um grande erro” e pediu desculpas. Ele falou na tarde de terça-feira, 10, em uma audiência conjunta das comissões Judiciária e de Comércio do Senado dos EUA sobre a responsabilidade da companhia na proteção da informação de seus usuários.

O escândalo envolvendo a consultoria britânica Cambridge Analytica ganhou visibilidade após um ex-funcionário da empresa revelar aos jornais The New York Times (EUA) e The Guardian (Reino Unido), em março, que informações de dezenas de milhões de americanos foram usadas pela companhia para criar publicidade personalizada e influenciar eleições em todo o mundo, inclusive a disputa de 2016 que resultou na vitória de Donald Trump. No total, 70 milhões tiveram dados usados sem permissão.“Está claro agora que nós não fizemos o suficiente para prevenir essas ferramentas [a plataforma] de serem usadas para danos. Isso vale para notícias falsas, interferências estrangeiras em eleições e discurso de ódio, bem como desenvolvedores e privacidade de dados. Nós não tomamos uma visão ampla o suficiente da nossa responsabilidade. Peço desculpas”, disse Mark Zuckerberg.

Já a interferência russa nas eleições de 2016 mereceu uma investigação no Congresso após a revelação de relações da campanha de Donald Trump com autoridades russas e de que contas daquele país atuaram durante o pleito para apoiar o atual presidente norte-americano e atacar a então concorrente, Hillary Clinton, além de segmentos minoritários, como negros e muçulmanos. Em fevereiro, o Departamento de Justiça do país indiciou 13 russos pela campanha de desinformação.

Medidas

Mark Zuckerberg apresentou as medidas adotadas pela empresa sobre o tema. Lembrou que antes da divulgação na imprensa, em março deste ano, o acesso aos dados por desenvolvedores como Alexandr Kogan havia sido drasticamente reduzido em 2014. Em 2015, Kogan foi banido e uma cobrança foi feita à Cambridge Analytica para apagar as informações repassadas. A consultoria teria confirmado não dispor mais dos registros, o que se comprovou irreal.

O presidente expôs outras decisões tomadas pela empresa. Aplicativos com acesso a dados de muitas pessoas estão sendo “investigados” pela empresa. Em havendo suspeitas, o programa poderá ser auditado. “Se acharmos alguma atividade imprópria, vamos bani-lo do Facebook e informar aos usuários que tiveram dados impropriamente usado”, comentou.

Interferência estrangeira

A senadora Dianne Feinstein questionou quais providências estão sendo tomadas para evitar interferências estrangeiras em eleições. Mark Zuckerberg informou que diversas contas vinculadas à atividade de russos foram derrubadas. Acrescentou que, desde 2016, houve eleições em que o Facebook teve atuação melhor, como na França e na Alemanha.

De acordo com ele, depois do pleito de dois anos atrás, a empresa investiu em recursos de inteligência artificial para derrubar contas criadas com este intuito. No mês passado, relatou, 270 contas alegadamente vinculadas à Agência de Pesquisa em Internet da Rússia (órgão que teria atuado nas eleições dos EUA) foram fechadas porque os técnicos teriam identificado uma atuação na Rússia em outros países vizinhos.

Discurso de ódio

O senador John Tune questionou a efetividade da postura do Facebook. “Vocês têm um histórico de se desculpar. Depois de mais de uma década de promessas de fazer diferente, por que devemos acreditar que agora é diferente?”, perguntou. O presidente reafirmou que houve muitas falhas. “É difícil ter uma companhia desta escala sem cometer erros. Tentamos não cometer erros repetidamente”. Ele afirmou que, agora, há uma mudança filosófica na empresa, para assumir um papel mais proativo no uso das ferramentas disponibilizadas aos usuários.

O parlamentar questionou como a empresa vai usar inteligência artificial para coibir discurso de ódio. Zuckerberg respondeu que as tecnologias de IA vão contribuir para identificar conteúdos, em parceria com funcionários, para fazer a revisão e validar a derrubada dos conteúdos. “Discurso de ódio é difícil para inteligência artificial, pois há uma nuança linguística”, comentou.

Anúncios

O senador Bill Nelson citou um diretor do Facebook, segundo quem, para não receber anúncios, as pessoas teriam que pagar pelo uso da rede social. E questionou por que o usuário não pode deligar o recebimento de anúncios. Mark Zuckerberg respondeu que o usuário pode desligar informação para terceiros. Mas se há pessoas que não gostam de anúncios, a resposta da comunidade, segundo ele, é de que pessoas preferem receber informação do que não receber. Para não ter anúncios, a empresa teria que ter outro modelo de negócios que não ofereceria o serviço de graça.

***** ***** ***** ***** *****

Repórter: Jonas Valente
Edição: Davi Oliveira

SOBRE O AUTOR

Agência Brasil

Agência pública de notícias criada em 1989, logo após a incorporação da Empresa Brasileira de Notícias (EBN) pela extinta Empresa Brasileira de Comunicação (Radiobras). Em 2007, com a criação da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), que incorporou a Radiobras, passou a integrar o sistema público de comunicação.

COMENTAR

COMENTAR