OPINIÃO

Coringa contra Curinga – por Edson de Oliveira

coringa - curinga - edson de oliveira
(Imagem: divulgação)

Em novo artigo para o Portal Comunique-se, Edson de Oliveira escreve sobre palavras com “o” que deveriam ser escritas com “u”. E, afinal, o correto é Coringa ou Curinga?

Coringa, Curinga… leia, abaixo, mais um texto escrito por Edson de Oliveira

Não achei nenhuma graça em ver e ouvir todos falando bem de “Joker”. Primeiro, porque, do jeito como demoro tanto para ir a cinema (sic), acho que só devo assistir ao filme do inimigo do Homem-Morcego que conheço desde o tempo em que ele era vivido por Cesar Romero quando, espero, for exibido em algum canal de televisão aberto e, segundo, porque a versão brasileira do título foi escrita com “o”, como se vê em, por exemplo, “moqueca” e “moleque”, palavras que em quimbundo, a mesma língua africana que deu origem a “kuringa”, que significa matar, são escritas com “u” (“mu’keka”, “mu’leke”).

Leia mais:

Uma vez que nem todos os falantes do português defendem esta justificativa, que evita que a primeira sílaba com o “u” etimológico chame a atenção (sem comentários), o português acabou registrando duas formas para a mesma palavra: “curinga”, no sentido de carta do baralho, versátil, multifuncional, polivalente, bobo da corte, e “coringa”, no sentido de vela usada em canoas ou barcaças, bem como quem trabalha nessas mesmas embarcações, e pessoa feia, enfezada, magra ou raquítica.

“O português acabou registrando duas formas para a mesma palavra” (Edson de Oliveira)

Diferenças à parte, acho tão difícil convencer os fãs de “coringa” a escrever “curinga” quanto achava difícil fazer as distribuidoras da porrada de filmes para adultos cujas legendas já revisei aceitar (tirem as crianças da sala) “boceta” por “buceta”, “foder” por “fuder”, “colhão” por “culhão” e “veado” por “viado”.

SOBRE O AUTOR

avatar

Edson de Oliveira

Revisor há mais de 20 anos, corrigindo principalmente legendas de vídeo, transcrição de áudio, textos jornalísticos e acadêmicos, é editor dos blogues “EFMérides” e “Blogue da Revisão”.

COMENTAR

COMENTAR