CARREIRA

Imersão, 360 e realidade virtual. Aprenda a trabalhar na área

fabio hofnik - realidade virtual
(Imagem: divulgação/Imprensa Mahon)

Canal voltado aos produtores de conteúdo audiovisual, a Imprensa Mahon apresenta edição high tech. Para isso, a apresentadora Krishna Mahon entrevista Fabio Hofnik, do Hyper Festival. Imersão no conteúdo, produções em 360 graus e materiais em realidade virtual pautam a conversa

Produtor do Hyper Festival e fundador do banco de dados TheXRDB.com, Fabio Hofnik é especialista em desenvolver projetos de experiências imersivas para diversas indústrias. Ele faz uso de narrativas interativas e tecnologias digitais, como imersões e conteúdo em 360. Em entrevista à Imprensa Mahon, ele conta fala do maior erro dos profissionais do audiovisual na transição para a realidade virtual. Não se especializar antes é um equívoco, pontua.

“Para um roteirista migrar para realidade virtual ele tem que se reinventar. Temos casos de gente de Holywood que tentou fazer e não deu certo. Recentemente, Robert Rodrigues, que todos acham genial no que sabe fazer, quando tentou fazer realidade virtual ficou horrível, não ficou adequado. Só que nós nunca o vimos num evento nosso, querendo aprender com a gente, e ele nem contratou alguém que já soubesse. Montou uma equipe com quem ele já estava costumado, e não adaptou a ideia do filme dele, que não é ruim. Mas para a linguagem da realidade virtual, quando você assiste com os óculos, é horrível, você passa mal. As cenas são muito agitadas. É exemplo de um cara que tem um conteúdo muito apurado no cinema tradicional e que não conseguiu transpor isso para VR porque não estudou”, afirmou Fabio Hofnik, dando exemplo vindo do badalado cinema norte-americano.

Fabio Hofnik - realidade virtual - Krishna Mahon
A apresentadora Krishna Mahon e o entrevistado Fabio Hofnik (Imagem: Imprensa Mahon)

Enriquecendo com VR

A resposta do produtor do Hyper Festival à pergunta de Krishna Mahon sobre se é possível ficar rico no Brasil com realidade virtual foi para além de mera questão financeira. “Algumas pessoas estão começando a ganhar dinheiro, mas o prazer de ser pioneiro e criar novas linguagens, de navegar nesses mares de tecnologia com criatividade, acho que é bem mais legal. Ganhar dinheiro o mercado vai ter que absorver primeiro, antes de virar negócio e tal. Se temos dificuldades com TV e cinema, que são clássicos, imagina com coisas mais modernas”, ponderou o entrevistado.

“No Brasil, temos um problema de equipamentos, porque não os temos por aqui, tudo é importado e mais caro. Por outro lado, temos a internet que nos ensina muita coisa. A tendência é que tenhamos cursos saindo ainda este ano de storytelling, de roteiro, de direção e de fotografia. Os recursos técnicos são muito diferentes, implicam em tudo. Tem que esconder a luz, o diretor não fica set”, exemplificou Fabio Hofnik.

Assista à entrevista com Fabio Hofnik:

Leia — e assista mais — Imprensa Mahon:

SOBRE O AUTOR

avatar

Krishna Mahon

Graduada em jornalismo e cinema, com curso de extensão em ficção científica pela Universidade de Michigan (EUA) e bagagem considerável pelo meio televisivo - meio em que atua há mais de 20 anos. Já passou por Rede Minas, Discovery, Mixer Films. De 2010 a maio de 2018, fez parte da equipe da A&E Television, onde já foi produtora executiva e respondeu como diretora de conteúdo original dos quatro canais da empresa: History, A&E, Lifetime e H2. Agora, traz para o Portal Comunique-se a "Imprensa Mahon", projeto que está no ar no YouTube desde 2016.

COMENTAR

COMENTAR