Portal Comunique-se

Bolsonaro entra para lista de “predadores da liberdade de imprensa”

jair bolsonaro - lista de predadores da liberdade de imprensa - ong repórteres sem fronteiras
Jair Bolsonaro está entre os "predadores da liberdade de imprensa", define entidade. (Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Presidente da República estreia em ranking da ONG Repórteres Sem Fronteiras

Compartilhe

Devido à relação que mantém com jornalistas e veículos de comunicação, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu entrar para um ranking em nível internacional. Agora, o mandatário brasileiro pertence ao nada honroso grupo de “predadores da liberdade de imprensa”, conforme definição utilizada pela organização não governamental (ONG) Repórteres Sem Fronteiras. A presença dele na lista foi confirmada pela entidade nesta segunda-feira, 6.

Leia mais:

O relatório da Repórteres Sem Fronteiras é atualizado anualmente e é a primeira vez que o nome do atual presidente do Brasil aparece. Na edição deste ano, 37 chefes de Estado espalhados mundo afora são definidos como “predadores da liberdade de imprensa”, informa a Radio France Internationale. No geral, Bolsonaro surge em companhia de políticos considerados de esquerda — espectro rotineiramente criticado por ele. Vladimir Putin (Rússia) e Nicolás Maduro (Venezuela) são alguns dos outros presidentes na lista.

No material divulgado hoje, a equipe da ONG Repórteres Sem Fronteiras não poupou críticas diretas a Bolsonaro. De acordo com a entidade, o político atualmente sem partido não tem contribuído em nada para melhor o ambiente de trabalho dos profissionais de comunicação. Pelo contrário, analisa a organização. “O trabalho da imprensa brasileira se tornou especialmente complexo desde que Jair Bolsonaro foi eleito presidente, em 2018”, afirma-se.

Novos ataques do presidente contra a imprensa, que ele rotula como responsável pela crise e que tenta transformar em verdadeiro bode expiatório

Mais do que isso, a ONG atribui ao ocupante do Palácio do Planalto atitudes contra o livre exercício da profissão jornalística e a plena liberdade de expressão. “Insultos, difamação, estigmatização e humilhação de jornalistas passaram a ser a marca registrada do presidente brasileiro”, pontua trecho do relatório. A chegada da pandemia do novo coronavírus ao país só piorou a situação. “Expôs sérias dificuldades de acesso à informação no país e deu origem a novos ataques do presidente contra a imprensa, que ele rotula como responsável pela crise e que tenta transformar em verdadeiro bode expiatório”, destaca o conteúdo.

Críticas a Bolsonaro e à situação do setor midiático no Brasil

Em relação ao Brasil, a ONG Repórteres Sem Fronteiras foi além de tecer críticas à postura de Jair Bolsonaro diante dos jornalistas. Sem citar nomes de grupos do setor de comunicação, a entidade lembrou que “a mídia brasileira ainda é bastante concentrada, principalmente nas mãos de grandes famílias, com frequência próximas da classe política”.

A família do ex-presidente da República e atual senador por Alagoas, Fernando Collor de Mello (Pros), é dona de afiliada da Rede Globo de Televisão, que tem na família de outro ex-mandatário do país — José Sarney — à frente de sua afiliada no Maranhão. O atual ministro das Comunicação, Fábio Faria (PSD), é casado com Patrícia Abravanel, uma das filhas do apresentador Silvio Santos, dono do SBT. Faria chegou a fazer ponta como figurante em propaganda da Jequiti, marca de cosméticos idealizada por sua mulher.

Fora a postura adotada por Bolsonaro e a concentração de veículos de comunicação sob poder de poucas famílias, a organização internacional lamenta outra situação frequentemente enfrentada por comunicadores no Brasil. “O sigilo das fontes é regularmente prejudicado e muitos jornalistas investigativos são alvo de processos judiciais abusivos”, pontua a ONG.

No mês passado, por exemplo, o editor-executivo da versão brasileira do site The Intercept, Leandro Demori, tornou-se alvo de inquérito da Polícia Civil do Rio de Janeiro após publicação de reportagem sobre a operação policial que terminou com mais de 20 assassinatos em uma favela carioca. Diante da situação envolvendo o jornalista, a Associação Brasileira de Imprensa (ABI) questionou se o país havia voltado aos tempos de censura imposta pela ditadura militar.

Outros “predadores da liberdade de imprensa”

A edição 2021 do relatório apresentado pela ONG Repórteres Sem Fronteiras conta com “velhos tiranos”, conforme definição a respeito de quem surge frequentemente na lista de “predadores da liberdade de imprensa”. Além dos já mencionados Bolsonaro, Putin e Maduro, o ranking traz nomes como os de Bachar al-Assad (Síria), Ali Khamenei (Irã), Alexandre Lukashenko (Belarus), Teodoro Obiang Nguema Mbasogo (Guiné Equatorial), Paul Kagamé (Ruanda) e Issaias Afwerki (Eritreia).

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, é outro personagem na lista da ONG. Ele é acusado por órgãos internacionais de ter sido o mandante do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi. Saudita crítico do governo local, Khashoggi foi morto em outubro de 2018 dentro do consulado da Arábia Saudita na Turquia.

jamal khashoggi
O jornalista Jamal Khashoggi. (Imagem: Reprodução)

Bolsonaro, Salman e todos os demais 35 chefes de Estado classificados como “predadores da liberdade de imprensa” são responsáveis em algum grau pela “criação de estruturas de censura, a detenção arbitrária de profissionais da mídia, a incitação à violência contra os jornalistas”, segundo definição da equipe da entidade responsável pelo relatório.

Impõem o terror com ordens irracionais e paranoicas

Christophe Deloire

“Cada um desses ‘predadores’ tem um método particular. Alguns impõem o terror com ordens irracionais e paranoicas”, afirma o secretário-geral da ONG Repórteres Sem Fronteiras, o francês Christophe Deloire. “Outros criam estratégias baseadas em leis restritivas. Temos de impedir que suas formas de impor a repressão se tornem o ‘novo normal’”, complementa o representante da entidade.

Compartilhe
0
0

Anderson Scardoelli

Jornalista, 32 anos. Natural de São Caetano do Sul (SP) e criado em Sapopemba, distrito da zona lesta da capital paulista. Formado em jornalismo pela Universidade Nove de Julho (Uninove) e com especialização em jornalismo digital pela ESPM. Trabalhou de forma ininterrupta no Grupo Comunique-se durante 11 anos, período em que foi de estagiário de pesquisa a editor sênior. Em maio de 2020, deixou a empresa para ser repórter do site da Revista Oeste. Após dez meses fora, voltou ao Comunique-se como editor-chefe, cargo que ocupa atualmente.

Megalive do Prêmio Comunique-se 2021

Prêmio Comunique-se

Patrocinadores Ouro

Patrocinadores Ouro



Patrocinadores Prata

Patrocinadores Prata



Patrocinadores Bronze

Patrocinadores Prata