ESPECIAIS

Brasil é rebaixado em ranking mundial de liberdade de imprensa

brasil - ranking da ong repórteres sem fronteiras - liberdade de imprensa - zona vermelha
Imagem: Arte no Canva

É o que mostra levantamento feito pela ONG Repórteres Sem Fronteiras

Relatório apresentado nesta semana pela organização não governamental (ONG) Repórteres Sem Fronteiras trouxe novidade negativa para o Brasil perante o mundo em relação à prática jornalística. Isso porque a edição 2021 do “Ranking Mundial da Liberdade de Imprensa” mostra que o Brasil foi rebaixado. Agora, o país está na “zona vermelha” da classificação, que conota a dificuldade do trabalho da mídia em determinada localidade.

Leia mais:

Com o rebaixamento na análise da ONG, o Brasil passa a ter companhias de países como Nicarágua, Rússia, Filipinas, Índia, Turquia, Venezuela e Sudão. Com a queda, o Brasil passou a ficar atrás de nações como Bolívia, Guiné e Moçambique na lista que se propõe a alertar para as dificuldades da prática jornalística pelo mundo.

Anteriormente, o Brasil estava enquadrado pela Repórteres Sem Fronteiras como integrante da “zona laranja”, o que representava algo como “sensível” em relação ao trabalho da imprensa. Diante do rebaixamento enfrentado neste ano, o país acumula quatro quedas consecutivas no ranking. Da 102ª colocação em 2018, passou para a atual 111ª posição — de 180 países e territórios mapeados pela ONG internacional.

“Tentou por todos os meios minimizar a escala da pandemia, gerando inúmeras tensões entre as autoridades e os meios de comunicação nacionais”

No relatório, a equipe da própria entidade chega a mencionar o presidente brasileiro. De acordo com o material divulgado pela ONG, Bolsonaro e equipe ajudaram o Brasil a cair no ranking, sobretudo por não comunicar de forma simples e transparente dados relacionados aos números da pandemia da Covid-19. “O acesso aos números oficiais sobre a epidemia tornou-se extremamente complexo devido à falta de transparência do governo de Jair Bolsonaro”, diz trecho do relatório. “[Ele] tentou por todos os meios minimizar a escala da pandemia, gerando inúmeras tensões entre as autoridades e os meios de comunicação nacionais”.

Bolsonaro e família

A atuação diante da pandemia não foi o único ponto observado pela Repórteres Sem Fronteiras ao criticar o mandatário brasileiro. A ONG destacou que pessoas próximas ao presidente da República, principalmente seus familiares, têm histórico de atacar verbalmente o trabalho de profissionais da imprensa e meios de comunicação.

“Insultam e difamam jornalistas e meios de comunicação quase que diariamente”

“O presidente Bolsonaro, seus filhos que ocupam cargos eletivos e vários aliados dentro do governo insultam e difamam jornalistas e meios de comunicação quase que diariamente, escancarando o desapreço pelo trabalho jornalístico”, reclamam publicamente os organizadores do relatório, que foi oficialmente divulgado em live que contou com a participação da jornalista Patrícia Campos Mello. Diretora da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e repórter especial da Folha de S. Paulo, ela processo Bolsonaro ao ser alvo de comentário por parte do presidente. Em primeira instância, o político foi condenado a pagar indenização de R$ 20 mil.

Extremos

Mesmo inserido na “zona vermelha”, o Brasil não está necessariamente no extremo negativo do ranking da ONG Repórteres Sem Fronteiras, pois ainda há a “zona preta”, para representar “situação grave”. De acordo com a entidade, as cinco piores posições na questão de liberdade de imprensa são ocupadas por Djibuti (176), China (177), Turcomenistão (178), Coreia do Norte (179) e Eritreia (180).

Pelo extremo positivo, o quinteto de países na liderança do ranking de liberdade de imprensa é formado por quatro nações nórdicas e um país da América Central: Costa Rica (5º), Dinamarca (4º), Suécia (3º), Finlândia (2º) e Noruega (1º). Além deles, outros sete países foram classificados na “zona branca”, onde o trabalho da mídia é definido em “boa situação”.

ong repórteres sem fronteiras - brasil - zona vermelha - ranking mundial de liberdade de imprensa
Imagem: Divulgação/ONG Repórteres Sem Fronteiras

SOBRE O AUTOR

avatar

Anderson Scardoelli

Jornalista, 31 anos. Natural de São Caetano do Sul (SP) e criado em Sapopemba, distrito da zona lesta da capital paulista. Formado em jornalismo pela Universidade Nove de Julho (Uninove) e com especialização em jornalismo digital pela ESPM. Trabalhou de forma ininterrupta no Grupo Comunique-se durante 11 anos, período em que foi de estagiário de pesquisa a editor sênior. Em maio de 2020, deixou a empresa para ser repórter do site da Revista Oeste. Após dez meses fora, voltou ao Comunique-se como editor-chefe, cargo que ocupa atualmente.

10 Comentários

COMENTAR

  • Mas jornalista brasileiro não quer liberdade de imprensa, quer poder atacar qualquer um e chamar isso de liberdade de imprensa. O que mais tem é matérias sobre o atual presidente e a foto usada é sempre uma foto usada como forma de deboche, mas quando vão fazer matérias dos comunistas que já foram até mesmo condenados, só postam com fotos de terno. Essa liberdade que vocês querem o povo brasileiro já se cansou. Jornalista precisa defender a verdade para o país, o bem comum e não atacar quem não está no seu jogo e defender quem faz parte do jogo.

  • Marcos, comentário perfeito.
    Só faltou mencionar o silêncio acerca da censura imposta pelo STF a quem “ofender” seus membros. #STFvergonhanacional

  • Em outras palavras, o fato de o Presidente insurgir-se contra a esquerdopatia galopante que está na imprensa, notadamente em empresas que recebiam polpudas verbas governamentais e que foram tiradas, sofrendo ameaças de jornalistas, pedidos de impeachment, sendo chamado de genocida significa que não há liberdade de expressão?
    Você destacou: “Insultam e difamam jornalistas e meios de comunicação quase que diariamente” – Isso, caro repórter, jornalista, ou seja o que for, vale para a imprensa, que faz isso não quase todos os dias, mas TODOS os dias. Faça um trabalho DECENTE e investigue. A liberdade existe, mas só querem que funcione de um lado.

  • Um jornalista sugere a morte do presidente em artigo em jornal de grande circulação. Outro, prega um golpe para tirá-lo do poder. Mais outro diz que o presidente é genocida e fascista. Essa é a liberdade de opinião que pregam?

  • Será fácil recuperar isso em uma semana, é só a imprensa parar de mentir e querer enganar a população, pregar o terror nas reportagens, ser imparcial nas notícias e sempre, sempre mostrar os dois lados do FATO e não criar uma narrativa de supostos “jornalistas” que não tem comprometimento com o fato real e criam narrativas somente a fantasia que nascem em suas cabeças vazias de bom senso. Pronto. Fica a dica!

  • Liberdade nojenta que os jornalistas, na maioria mentirosos e em busca de fofocas, que se sentem ofendidos ao responderem as ofensas que os próprios fazem. DEviam se envergonhar do tal jornalismo adotado. Está esculachado a maldade por trás das redações! Hipocrisia total! Se acham tão poderosos nossos atuais pseudoJornalistas! o país nunca foi tão livre!

  • Vindo desta ONG, não surpreende em nada. São todos comunistas. Falam da liberdade de imprensa mas, silenciam diante das prisões ilegais de jornalistas que pensam diferente deles. E os colegas bem colocaram.

  • A imprensa brasileira na sua maioria tendenciosa à esquerda não pode reclamar de falta de liberdade de imprensa.
    A falta de respeito com o Presidente da República eleito legitimamente por mais de 57 milhões de brasileiros de bom senso nunca foi visto em momento algum da história brasileira.
    Outra parte desse ditos jornalistas torcem muito mais para que o país não dê certo e não se contentam em noticiar se sentem em um tribunal de condenação a maior autoridade do país e ainda contribuem para que o nome do nosso país seja cada vez mais chacoalhado no exterior.
    Cadê a ética profissional, ou pelo menos o patriotismo.
    Sinto vergonha de fazer parte desse time , mesmo não fazendo esse jogo sujo dessa imprensa sem pudor.

  • Para a imprensa suja e parcial não há liberdade de imprensa mesmo. O povo brasileiro está cansado dessa imprensa militante, que faz política em causa própria.

  • Para a imprensa suja e parcial não há liberdade de imprensa mesmo. O povo brasileiro está cansado dessa imprensa militante, que faz política em causa própria. #STFvergonhanacional #GloboLixo