COMUNICAÇÃO

Congresso de jornalismo vai homenagear Míriam Leitão

miriam leitao - abraji - congresso de jornalismo
A jornalista Míriam Leitão, a mais nova homenageada pelo congresso de jornalismo da Abraji (Imagem: reprodução/Abraji)

Míriam Leitão terá sua trajetória na imprensa reconhecida. Aos 66 anos, ela será a grande homenageada da edição 2019 do Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo. Promovido pela Abraji, o evento será realizado em junho

A jornalista Míriam Leitão, de 66 anos e com 47 anos de carreira, será homenageada por sua contribuição ao jornalismo, durante o 14º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo. O evento é promovido pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e em 2019 será realizado de 27 a 29 de junho, no campus Vila Olímpia, da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo.

“Estou muito emocionada com essa homenagem. Porque é da própria categoria. Hoje, a Abraji é a mais importante representação dos jornalistas brasileiros. Também destaco pela dimensão profissional dos que já receberam esse prêmio. Tomei um susto grande, não esperava. Na verdade, estou numa alegria imensa”, disse a jornalista. Durante a homenagem será exibido um minidocumentário sobre a trajetória profissional de Míriam Leitão.

Míriam Leitão se junta a outros grandes nomes do jornalismo brasileiro que receberam a homenagem em edições anteriores. São os casos de José Hamilton Ribeiro, Joel Silveira, Paulo Totti, Lúcio Flávio Pinto, Rosental Calmon Alves, Zuenir Ventura, Janio de Freitas, Tim Lopes, Marcos Sá Correa, Clóvis Rossi, Elio Gaspari, Santiago Andrade, Dorrit Harazim, Elvira Lobato e Carlos Wagner.

Uma mineira com vitória no jornalismo

Mineira da cidade de Caratinga, a jornalista é filha de um pastor presbiteriano e de uma professora primária. Teve 11 irmãos. Estudou no Colégio Caratinga, fundado por seu pai. Aos 18 anos, mudou-se para Vitória. Estava procurando emprego quando viu nos classificados da Tribuna de Vitória uma vaga de estágio no próprio jornal. Entrou pela primeira vez em uma redação e nunca mais saiu.

Nos anos 1970, Míriam Leitão participou do movimento estudantil durante a ditadura militar e foi presa, aos 19 anos, grávida de seu primeiro filho. Foi trancada nua, em uma sala no quartel do 38º Batalhão de Infantaria do Exército, em Vitória, em companhia de uma cobra. Perdeu 11 quilos em dois meses de prisão, chegando aos 39 quilos.

O interesse pela área econômica surgiu no final dos anos 1970, quando foi editora de economia do jornal Gazeta, em Vitória. Pouco depois, transferiu-se para Brasília, onde passou a cobrir o Itamaraty para a Gazeta Mercantil. Nessa época, formou-se em jornalismo pela Universidade de Brasília (UnB).

Redações pelo Brasil

Após breve passagem por O Globo cobrindo as eleições de 1982 no Pará, Míriam Leitão foi para a revista Veja. Depois, trabalhou no Jornal do Brasil, onde chegou a editora de economia em 1986. Em 1990, deixou o JB para escrever uma coluna de economia em O Estado de S. Paulo. Voltou a trabalhar em O Globo, em 1991, ao assumir a coluna ‘Panorama Econômico’.

Em 1995, Míriam Leitão passou a ser comentarista de economia da TV Globo no ‘Jornal Hoje’. Logo depois, começou a colaborar com o ‘Jornal Nacional’ e a fazer comentários no ‘Bom Dia Brasil’.

Nos anos 2000, começou a fazer comentários para a rádio CBN, além de apresentar o programa ‘Espaço Aberto Economia’, na GloboNews, que em 2012 foi rebatizado de ‘GloboNews Míriam Leitão’. Em 2005, tornou-se a primeira jornalista brasileira a receber o prêmio Maria Moors Cabot, oferecido pela Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos.

Não bastasse a carreira de sucesso como jornalista e comentarista, Miriam é também escritora premiada. Em 2012, ganhou o Prêmio Jabuti de Livro do Ano de Não Ficção, com Saga Brasileira – A Longa Luta de um Povo por sua Moeda (Record). Em 2015, publicou História do Futuro – O horizonte do Brasil no século XXI (Intrínseca), que depois virou uma série de reportagens na GloboNews. São 11 livros lançados, cinco deles infantis, como A menina de Nome Enfeitado (2014) e Flávia e o Bolo de Chocolate (2015), ambos publicados pela Rocco.

Leia mais – ‘Comunicação’:

SOBRE O AUTOR

Abraji

Abraji

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Criada em 2002 por um grupo de jornalistas brasileiros interessados em trocar experiências, informações e dicas sobre reportagem, principalmente sobre reportagens investigativas. É mantida pelos próprios jornalistas e não tem fins lucrativos.

COMENTAR

COMENTAR

Prêmio Comunique-se