COMUNICAÇÃO

Jornais O Dia e Meia Hora reduzem salários

grupo o dia reduz salários - o dia e meia hora - presidência
(Imagem: Canva.com)

Decisão foi comunicada pela presidência do Grupo O Dia, empresa que edita as duas publicações cariocas

Além da redução salarial, funcionários enfrentam problemas com vale-alimentação. Descontado, o benefício não vem sendo repassado

Apesar de ser conhecido por ser o Dia da Mentira, o 1º de abril de 2020 foi marcado por uma verdade nada agradável para os colaboradores de O Dia e Meia Hora. A partir da data, conforme descrito em comunicado ao qual a reportagem do Portal Comunique-se teve acesso, os funcionários dos dois jornais cariocas terão seus salários reduzidos em 25%.

Leia mais:

Webinar promete desvendar o perfil comportamental do comunicador brasileiro
O jornalismo acabou? É o que Vinícius Dônola e Ana Paula Padrão discutem
ONG oferece apoio financeiro a jornalistas impactados pelo novo coronavírus

O comando do Grupo O Dia, empresa responsável pelos dois impressos, avisa que a medida é temporária. O prazo previsto para a folha salarial voltar ao normal, contudo, não consta no comunicado assinado pela presidência. Desde outubro de 2019, o conglomerado de mídia tem o administrador Luiz Alberto Albuquerque como presidente.

A empresa de comunicação argumenta que a decisão em cortar os salários ocorre devido à pandemia do novo coronavírus. A estratégia, segundo a presidência, é visando “preservar cada posto de trabalho”, em meio a busca de soluções que permitam o retorno “à normalidade tão logo seja possível”. O Grupo O Dia garante, ainda, que o foco no momento é saúde de seus funcionários.

Outros problemas

A redução de 25% dos salários não é o único problema encarado pelos funcionários do Grupo O Dia, o que inclui jornalistas de O Dia e Meia Hora. Alguns profissionais, que pedem para ter suas identidades preservadas, denunciam que já vinham sofrendo com um benefício. De acordo com os relatos, o vale-alimentação (VA) era devidamente descontado na folha, mas os valores não eram repassados aos colaboradores. Problema que segue desde janeiro.

“O que muito incomoda a equipe é a falta de comunicação sobre o atraso. Quando perguntado, o RH e o financeiro respondem informalmente que os meses de janeiro e fevereiro são os piores meses de arrecadação do jornal”, conta um dos funcionários do Grupo O Dia, conglomerado de mídia que está em processo de recuperação judicial desde janeiro de 2018.

A reportagem do Portal Comunique-se tentou contato, por e-mail, com a diretoria de redação do jornal O Dia e com a gerência de recursos humanos do Grupo O Dia. Até o momento, não obteve retorno.

Abaixo, a íntegra do comunicado da presidência do Grupo O Dia:

Caro (a) colaborador (a),

Esperamos que todos estejam se cuidando e se preservando. A saúde é o foco principal deste momento.

Por ocasião da pandemia de Covid-19 e tentando preservar cada posto de trabalho, e achar soluções que nos façam voltar à normalidade tão logo seja possível, o Grupo O Dia decidiu implementar um esquema de pagamento proporcional de salários, com efeito imediato, mas temporário.

A partir da competência de março de 2020, suspenderemos o vale transporte e o vale refeição. De toda forma, garantiremos o pagamento da quantia equivalente a 75% do total de cada salário, garantindo o valor mensal mínimo de R$ 1.300,00.

A fatia restante será quitada tão logo o cenário de contingenciamento nacional se desfaça, conforme cronograma a ser anunciado mediante a normalização de nossa operação.

Preservar os empregos, com um grau de colaboração individual, é nossa premissa; nossa principal luta. Essa crise é de todos – e a solução também.

Atenciosamente,

Presidência do Grupo O Dia

SOBRE O AUTOR

avatar

Anderson Scardoelli

Orelhudo, observador e contador de histórias. Não necessariamente nessa ordem. De sua querida Estância Turística de Sapopemba, na zona leste de São Paulo, para o mundo. Graduado em jornalismo pela Uninove e com especialização em jornalismo digital pela ESPM, mas gosta mesmo de dizer que foi formado pelo Comunique-se. Trabalha na empresa há mais de 10 anos, indo de estagiário de pesquisa a editor sênior. No meio do caminho, foi estagiário de redação, trainee, subeditor, editor júnior e editor pleno. Gosta de escrever e de falar sobre (adivinhem?) jornalismo!

COMENTAR

COMENTAR