OPINIÃO

O poder de uma marca associada à prática de branding

branding - vanessa tófano
(Imagem: Canva.com)

“Quando criamos ações alinhadas ao posicionamento, propósito e aos valores de uma marca estamos construindo seu branding”. A jornalista Vanessa Tófano analisa a questão de marca (e a sua relação com campos da comunicação)

Leia o artigo de Vanessa Tófano sobre branding

A personalidade de uma marca é formada pelos propósitos tangíveis a ela. E, portanto, desde o comportamento até os hábitos e usos criados para seu universo estão totalmente conectados a esse conjunto. O que isso significa?

A resposta está no fundamento do branding. Quando criamos ações alinhadas ao posicionamento, propósito e aos valores de uma marca estamos construindo seu branding. E essa construção é efetiva ao ultrapassarmos os limites da mente e chegarmos ao coração do cliente.

Leia mais:

Profissionais de marketing, pesquisadores, cientistas e até psicólogos comprovaram que a percepção e o comportamento dos consumidores são afetados quando as marcas são vistas como pessoas. Isso significa que a relação que mantemos com uma marca está intimamente ligada aos nossos próprios costumes.

Se as empresas buscam incluir seus produtos e serviços não apenas como soluções, mas como hábitos em uma sociedade, essa organização precisa investir na concepção de mensagens expressivas, com o poder de criar identificação imediata.

As tecnologias disponíveis para essa criação são encontradas e discutidas na neurociência, que discorrendo sobre os novos hábitos e usos, chegou a designação do neuromarketing como ferramenta para o entendimento do cérebro do consumidor.

É indiscutível a eficiência do neuromarketing na definição estratégica de uma empresa, principalmente na sua comunicação com o cliente. Especialistas na área concluíram que estimular memórias, emoções e experiências positivas é o que faz o consumidor se lembrar e se afeiçoar a uma determinada marca. Daí, bingo: é exatamente nesse ponto onde mora sua determinação como hábito de consumo. Vou citar alguns exemplos categóricos: isso acontece quando citamos a lâmina de barbear como Gillete, o achocolatado em pó como Nescau ou a esponja de lã de aço como Bombril.

“A relação que mantemos com uma marca está intimamente ligada aos nossos próprios costumes”. Vanessa Tófano sobre branding

E é nesse ponto também que muitas empresas devem chegar quando buscam “virar a chave”, isto é, apostar em um novo uso para seus produtos e serviços transformando-os em costumes. É possível, para não dizer obrigatório, uma marca se reciclar de forma madura e coerente observando as características do neuromarketing nessa reestruturação.

Neste caso, a linguagem aplicada a toda essa bagagem deve ser simples, direta e familiar, mostrando claramente as relações de custo x benefício, de forma objetiva. O viés fundamental aí é o estímulo aos aspectos visuais e sensíveis da marca.

Quais sentimentos são tangíveis aos clientes por meio das soluções de sua empresa? Com qual experiência o consumidor pode se identificar através de seu produto? O cérebro decide sobre uma compra de forma inconsciente e o consumidor irá memorizar melhor algo quando houver influência direta com suas emoções.

SOBRE O AUTOR

avatar

Vanessa Tófano

CEO da RelatioNOW e autoridade em relações públicas. Está à frente de estudos de reposicionamento de marcas e direciona as empresas por meio da inovação, trabalhando o propósito e transformando a visibilidade e as relações institucionais. Além de formação em universidades com índices de excelência, possui especialização em marketing e branding pela Brand Learning UK e pós-graduação em gestão estratégica em comunicação Organizacional pela USP (Universidade de São Paulo).

COMENTAR

COMENTAR