COMUNICAÇÃO

Projeto começa a checar informações sobre o coronavírus

projeto comprova - coronavírus
(Imagem: Douglas Rodrigues/Poder360 )

O projeto Comprova surgiu no contexto das eleições presidenciais de 2018, quando checou informações duvidosas sobre o polarizado pleito

Agora, veículos se unem novamente para combater fake news em meio à pandemia do coronavírus

Teve início na quarta-feira, 25, um expediente especial do projeto Comprova sobre o novo coronavírus, causador da Covid-19. Os 24 veículos de comunicação que compõem a coalizão agora se dedicam a monitorar redes sociais e aplicativos de mensagens em busca de informações duvidosas sobre o vírus e a doença.

Leia mais:

Além de reforçar a capacidade de verificação dos conteúdos já desenvolvida por diversas iniciativas no Brasil e no mundo, o objetivo da iniciativa é expandir a disseminação das informações verdadeiras. Fazem parte da coalizão do Comprova veículos impressos, radiofônicos, televisivos e digitais de grande alcance, como Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, SBT, Band News FM e UOL.

“A imprensa como um todo tem feito uma ótima cobertura direcionada para o coronavírus. O conteúdo informativo e de serviço está muito bom. Mas o conteúdo de verificação da desinformação que circula nas redes precisa ter seu alcance reforçado”, explica Sérgio Lüdtke, editor do projeto Comprova.

É possível enviar ao projeto sugestões de conteúdos duvidosos e que podem ser verificados. No site, há o canal ‘Pergunte ao Comprova’, e os boatos também podem ser enviados por WhatsApp (11 97795-0022). Para acompanhar as verificações que serão produzidas, basta acessar o site do projeto e as redes sociais (Twitter e Facebook). Os 24 veículos membros da coalizão também replicarão as verificações em seus canais.

“A imprensa como um todo tem feito uma ótima cobertura direcionada para o coronavírus”

Presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Marcelo Träsel reforça que a iniciativa pretende contribuir com a capacitação dos cidadãos na hora de discernir o que é falso sobre a pandemia da Covid-19. “Queremos desbancar os boatos nocivos, mas também instrumentalizar jornalistas e o público em geral para identificar as características dos embustes e ajudar a filtrar desinformação de forma autônoma”, afirma.

O expediente especial sobre o novo coronavírus conta com patrocínio de Google News Initiative (GNI), Facebook Journalism Project, First Draft News e WhatsApp. Há, ainda, apoio da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP).

O que já foi feito até aqui

O projeto Comprova surgiu no contexto das eleições presidenciais de 2018, quando checou informações duvidosas sobre o polarizado pleito.

Ao longo do segundo semestre de 2019, o projeto se dedicou a verificar conteúdos suspeitos que circulavam nas redes sociais sobre políticas públicas no âmbito do governo federal.

Das 77 verificações realizadas em 2019, 88% mostram que o conteúdo era falso, enganoso ou estava em um contexto equivocado. Também foram produzidos estudos de caso, que detalham o passo a passo de algumas das principais verificações.

Em breve, será lançada a terceira fase da iniciativa, que segue investigando desinformações relacionadas à Covid-19, às políticas públicas federais e às eleições municipais de 2020.

****** ***** ***** ***** *****

Por Mayara Paixão.

SOBRE O AUTOR

Abraji

Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo. Criada em 2002 por um grupo de jornalistas brasileiros interessados em trocar experiências, informações e dicas sobre reportagem, principalmente sobre reportagens investigativas. É mantida pelos próprios jornalistas e não tem fins lucrativos.

COMENTAR

COMENTAR

COMO AGÊNCIAS PODEM CRESCER FATURAMENTO COM O INFLUENCER MARKETING?

Webinar

14/07 às 16:00