COMUNICAÇÃO

Diplomata e jornalista, Afonso Arinos morre aos 89 anos

afonso arinos jornalista diplomata e imortal da abl
Afonso Arinos: imortal da ABL. (Imagem: reprodução/G1)

Afonso Arinos ocupava a cadeira 17 da Academia Brasileira de Letras (ABL)

“Imortal”, ele atuou como diplomata, político e jornalista

Morreu no domingo, 15), no Rio de Janeiro, aos 89 anos, o político e diplomata Afonso Arinos de Mello Franco. Também jornalista, ele era o sexto ocupante da cadeira número 17 da Academia Brasileira de Letras. Segundo a ABL, Affonso Arinos morreu em casa, vítima de problemas respiratórios.

Leia mais:

Nascido em Belo Horizonte, em 1930, o embaixador foi eleito imortal em 1999, na vaga do filósofo Antônio Houaiss. Era filho do jornalista, escritor e jurista brasileiro Afonso Arinos de Mello Franco e de Anna Guilhermina Pereira de Mello Franco. Iniciou a carreira diplomática em 1952. Desempenhou funções e cargos no Brasil e no exterior. Trabalhos esses que somaram-se a atividades como jornalista e político.

Na década de 1960, foi deputado à Assembleia Constituinte e Legislativa do Estado da Guanabara, na qual se destacou como membro da Comissão de Constituição e Justiça, em 1961, e como presidente da Comissão de Educação, em 1962. De 64 a 65. Foi, ainda, professor de civilização contemporânea na Universidade de Brasília. Eleito deputado federal pelo Estado da Guanabara, foi membro da Comissão de Relações Exteriores.

Lamentação

Por nota, o presidente da ABL, Marco Lucchesi, disse que o embaixador Afonso Arinos, foi memorialista e ensaísta primoroso, além de um historiador atento às raízes do Brasil e com larga erudição. Lucchesi afirmou, ainda, que perde um amigo querido, um homem íntegro e um grande brasileiro.

Ouça a reportagem:

***** ***** ***** ***** *****

Reportagem: Lígia Souto.

SOBRE O AUTOR

Radioagência Nacional

Criada em 2004 e disponibiliza, de forma gratuita, conteúdos produzidos pelas emissoras de rádio da EBC e pelas rádios públicas parceiras, entre reportagens, entrevistas, programetes e spots. Os áudios são utilizados por mais de 3 mil emissoras cadastradas, entre rádios comunitárias, públicas e privadas.

COMENTAR

COMENTAR