OPINIÃO

É uma sucessão de erros – por Adalberto Piotto

erros - artigo de Adalberto Piotto
(Imagem: Canva.com)

“A imprensa convencional está longe de perder sua importância, o que é muito bom, diga-se”, afirma o articulista-parceiro do Portal Comunique-se

Adalberto Piotto escreve sobre o novo coronavírus — e os erros cometidos em relação a ele, inclusive de profissionais da imprensa brasileira

Leia, abaixo, texto de Adalberto Piotto sobre coronavírus, imprensa e erros

Tento todo dia apurar minha interpretação dos fatos. Olhar com acuracidade pra entender onde começou o problema, a fonte da disfuncionalidade. Isso normalmente ajuda na solução. Houve erros da OMS, lá trás, no início da epidemia na China. Já não dá para corrigir. Há erros sobre entender o coronavírus e graves de comunicação nos discursos do presidente Jair Bolsonaro. É possível melhorar.

Leia mais:

→ BandNews abre sinal e tem estreia “totalmente excelente”
→ Sikêra Jr. registra audiência histórica na tela da RedeTV
→ “Nossa concorrência é a desinformação”, avisa jornalista

Há erros crassos nas ações do governador de São Paulo, João Dória, do estilo “para tudo, fecha e arrebenta” do confinamento sem fim. Precisa melhorar. E pode se a imprensa dedicar a ele a mesma diligência com que trata o presidente.

Um aparte neste caso. O secretário de Saúde de Dória disse ao R7 que, num caso extremo, pode usar a polícia para garantir o isolamento das pessoas em casa. Imagine um ministro de Bolsonaro dizendo isso? Uso da polícia, mesmo em casos extremos, para privar as pessoas do seu mais básico direito de ir e vir? Quantas vezes usariam a palavra fascismo e comparações com a ditadura para denunciar o caso? Não vi reações acaloradas dos defensores da democracia, por ora.

Por isso, continuando, há erros sérios da imprensa em tratar os dois de forma muito diferente, com notadamente menos ceticismo o governador, que parece contar com apoio de grupos poderosos de comunicação privada. Por mais que as redes sociais tenham uma vida própria, a imprensa convencional está longe de perder sua importância, o que é muito bom, diga-se. Mas precisa se perguntar sobre a qualidade e os interesses de sua cobertura.

“Há erros sérios da imprensa em tratar os dois [Bolsonaro e Doria] de forma muito diferente, com notadamente menos ceticismo o governador”. Analisa Adalberto Piotto

Houve também erros, apesar de muitos e nobres acertos, do Ministério da Saúde. Ao recomendar uma interpretação menos radical do isolamento social, o Ministério foi o único a tentar se corrigir rapidamente. Toda essa sucessão de erros parece ter de dado um pouco por desespero, um pouco por informação ruim, julgamentos precipitados e, em casos que extrapolam a saúde e a economia, interesses pouco republicanos.

Enfim, erros. Em comunicação, que sempre foi de transmissão rápida, hoje automática, uma informação ganha adeptos e haters numa velocidade incrível. Com as redes sociais, proliferam com disseminação exponencial. E como estarão todos discutindo e brigando em cima de uma informação errada, nem o mea culpa de quem errou tem efeito depois da contaminação.

Tudo fica ainda pior quando um ingrediente eleitoral se torna claro, como a rinha política sugere. Tempos difíceis. Vamos superar. Mas o antídoto para o veneno que nos distancia da realidade é o que pouca gente quer tomar, seja por desespero, pânico, ignorância ou interesse no barulho. Sensatez e equilíbrio são remédios conhecidos.

“Uma informação ganha adeptos e haters numa velocidade incrível”. É o que pontua Adalberto Piotto

Ao perceber certos exageros nos confinamentos decretados pelos Estados, o Ministério da Saúde tentou explicar, ontem, quase em vão, como seriam medidas mais equilibradas. Ganhou o ceticismo dos repórteres. No entanto, em meio ao turbilhão que mistura desespero de saúde e econômico de muitos, o interesse eleitoral de poucos alimenta a insensatez.

Adicione o ego desmesurado dos líderes políticos e tudo piora. A cloroquina administrada por médicos já está em estado de teste para conter o Coronavírus. E tem sido bem-sucedida.

Para a compreensão do mundo que vivemos, o remédio da fórmula que combina sensatez e equilíbrio já está aí, pronto para uso, e pode ser usado em altas doses sem efeitos colaterais ruins, além de ser recomendada a automedicação. Só depende do paciente.

***** ***** ***** ***** *****

Texto publicado originalmente no perfil do autor no Facebook.

SOBRE O AUTOR

avatar

Adalberto Piotto

Jornalista formado pela Universidade Metodista de Piracicaba com especialização em economia pela Fipe-USP. Apresentador do ‘Cenário Econômico’, programa fruto da parceria da TV Brasil com a BM&FBOVESPA. É diretor e produtor do filme-documentário “Orgulho de Ser Brasileiro” (2013), de sua autoria, que disseca o estilo de ser do brasileiro com todas as suas nuances e oscilações de sentimento enquanto cidadão. De 1999 a 2011, foi âncora da CBN em São Paulo, onde começou como repórter. Em 2014, de julho até o início de dezembro, foi âncora do ‘Jornal da Manhã’, noticiário transmitido pela Jovem Pan. É palestrante nas áreas de economia, realidade social brasileira e jornalismo.

COMENTAR

COMENTAR