COMUNICAÇÃO

Dono de jornal é assassinado no Rio de Janeiro

robson giorno - jornal o marica
Robson Giorno. Dono de jornal queria ser prefeito de Maricá (Imagem: arquivo pessoal/Facebook)

Empresário Robson Giorno foi baleado em frente a sua casa em Maricá (RJ). Dono de jornal não resistiu aos ferimentos e morreu no sábado, 25

Proprietário do Jornal O Maricá, Robson Giorno foi assassinado no último sábado, 25, em frente a sua casa, na cidade litorânea do Rio de Janeiro. Ele foi alvo de criminosos que estavam em um Fiat Palio e dispararam tiros. Aos 45 anos e filiado ao Avante, ele tinha a intenção de se candidatar a prefeito no próximo ano.

De acordo com informações do G1, a Polícia Civil investiga o crime. Amigos e parentes do dono do Jornal O Maricá foram ouvidos pela equipe da Delegacia de Homicídios de Niterói, cidade vizinha a Maricá. Por ora, não há a identificação de nenhum suspeito. E nenhuma linha de investigação — como crime político — foi descartada até agora.

“Os agentes procuram possíveis testemunhas e imagens de câmeras de segurança instaladas na região que possam ajudar a identificar a autoria do crime”, informa, em nota, a Polícia Civil do Rio de Janeiro. O assassinato de Robson Giorno fez com que, além das autoridades policiais, a prefeitura de Maricá se posicionasse contra o crime.

Em nota, a prefeitura local se mostra preocupada com a situação e se colocou na torcida pela ligeira resolução do caso. “A Prefeitura de Maricá manifesta seu pesar pela morte trágica do jornalista Robson Giorno e espera que as investigações conduzam rapidamente à identificação e punição dos responsáveis”.

“Reiteramos nosso compromisso com a liberdade de imprensa e de expressão, repudiamos também qualquer ato de violência. Reafirmamos ainda nossa permanente preocupação com a segurança de todos os que vivem e trabalham em Maricá. Nossos sentimentos à família”, complementou a prefeitura.

Jornalista e político

Por meio das redes sociais, Robson Giorno vinha demonstrando interesse em seguir carreira político. Filiado ao Avante, chegou a se colocar à disposição do partido para ser candidato a prefeito de Maricá na próxima eleição, a ser realizada em 2020. Com o assassinato, o diretório estadual da legenda prestou suas condolências. “O partido espera empenho das autoridades policiais para desvendar a autoria e rápidas investigações”, enfatizou o Avante fluminense.

Em nota, a Associação Nacional de Jornais (ANJ) lamentou o assassinato de mais um comunicador brasileiro. “O Brasil, infelizmente, segue como um dos países com maior número de mortes de jornalistas e radialistas. Uma das razões para esse triste título é a frequente impunidade dos criminosos que atentam contra a liberdade e o direito da população de ter acesso à informação”, pontuou a ANJ.

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), por sua vez, destacou que colocará seus recursos em favor da investigação do crime. “[A entidade mobilizou] a equipe do Programa Tim Lopes (que atua para combater a impunidade em crimes envolvendo comunicadores) para colher informações, podendo ampliar a investigação para que o caso seja devidamente apurado, se houver indícios de relação entre a morte e a atividade jornalística da vítima”.

Leia mais – ‘Comunicação’:

SOBRE O AUTOR

avatar

Anderson Scardoelli

Orelhudo, observador e contador de histórias. Não necessariamente nessa ordem. De sua querida Estância Turística de Sapopemba, na zona leste de São Paulo, para o mundo. Graduado em jornalismo pela Uninove e com especialização em jornalismo digital pela ESPM, mas gosta mesmo de dizer que foi formado pelo Comunique-se. Trabalha na empresa há mais de 10 anos, indo de estagiário de pesquisa a editor sênior. No meio do caminho, foi estagiário de redação, trainee, subeditor, editor júnior e editor pleno. Gosta de escrever e de falar sobre (adivinhem?) jornalismo!

COMENTAR

COMENTAR